Cheiro de livro novo: Kiara

Título: Kiara
Autora: Juliana Leite
Páginas: 319
Editora: Lótus
Série: Entre Vidas #1
Próximo: Lise
Avaliação: 3/5

Já deveria ter terminado essa resenha há meses, mas me enrolei totalmente com as postagens do blog por causa da Residência. #Sorry Então, para finalizar a minha lista de leituras da Maratona Literária de fevereiro (sim, eu não consegui ler todos os livros 😞), Kiara foi o que escolhi para o desafio "um nacional". Eu ganhei esse livro em um desses eventos literários que rolam no facebook, que foi onde conheci a autora e suas histórias. Estava bem curiosa, mas demorei quase dois anos enrolando. Até que a maratona me deu oportunidade para finalmente ler. 😊

" Eu vou ficar ao seu lado, mesmo que você não queira."


Kiara é uma jovem que está terminando sua formação de sacerdotisa em Ávalon. Apenas quando concluir poderá voltar para sua terra natal, Atlântida, de onde é princesa. Porém, uma ocasião inesperada provoca sua saída repentina de Ávalon e faz com que sua formação precise ser completada às pressas.

" (...) Saiba que podem tirar tudo de você: as pessoas que você ama, suas posses. Porém nunca podem tirar seu conhecimento."

Atlântida é invadida pelos seus maiores inimigos, os atenienses. O imperador e a imperatriz, pais de Kiara, são mortos na calada da noite e o assassino não é encontrado, apesar de todos suspeitarem de quem seja. O jovem príncipe Edímion, irmão de Kiara, é quem deve assumir o trono e a liderança na guerra que está prestes a ser iniciada. Portanto, Kiara deve retornar como grã-sacerdotisa e oferecer todo o apoio e sabedoria de que Atlântida precisa nesse momento.

"(...) E as pessoas não fazem coisas ruins por causa dos deuses, elas fazem em interesse próprio, porém não têm coragem de admitir isso para os outros, sobretudo para os deuses."

No entanto, Edímion não está preparado para governar a cidade. Ele ainda é jovem e inexperiente, não se sente seguro para assumir tamanha responsabilidade. Além disso, apaixonou-se por uma estrangeira, mas ela acaba sendo sequestrada pelos atenienses como uma forma de atraí-lo, para deixar Atlântida indefesa. E ele decide que é seu dever salvá-la, não importa o que isso custe.

"— (...) Só tenho mais uma coisa a dizer. Existe uma tênue linha entre teimosia, personalidade forte e burrice."


Então Kiara parte em busca da maior aventura de sua vida, passando por lugares diversos e conhecendo pessoas de diferentes etnias, para encontrar o irmão e descobrir uma forma de salvar Atlântida, antes que a ilha sucumba nas mãos de estrangeiros. Ao seu lado, ela reune um grupo de pessoas que vão tornando-se amigos leais e essenciais para o sucesso da missão, como Leran, um estrangeiro que está em Ávalon estudando; Dárien, o chefe da guarda de Atlântida; e Deoris, uma camareira do palácio.

"Se tivessem ficado juntos, tudo teria corrido tão facilmente. Mas se o caminho fosse fácil, não aprenderiam. Sabia que o encontraria novamente em outras vidas."

Kiara é uma mulher jovem que, por ter passado a maior parte de sua vida isolada em Ávalon, estudando, não conhece muito sobre o mundo. Ela é ingênua e, apesar de tentar ser racional e sábia na maior parte de suas decisões, afinal ela é uma sacerdotisa, muitas vezes ela age como uma adolescente. É muito teimosa e sempre quer ter razão em tudo, até quando não está certa, muitas vezes não demonstrando toda a sabedoria que deveria ter. Isso foi uma das coisas que me irritou bastante durante a leitura e não ajudou a me conectar com a personagem. Apesar dos defeitos, que todos têm no fim das contas, ela é uma mulher forte, independente, corajosa e boa. Edímion foi um personagem que me decepcionou. Foi preparado a vida inteira para assumir sua posição de direito, mas na hora em que todos precisavam, lidou com a situação como um garotinho mimado. Leran foi alguém de quem gostei muito e Dárien de quem antipatizei logo. Mas todos os personagens possuem histórias complexas e a primeira impressão não é a que se mantém ao longo do livro inteiro. E também rola o romance para complicar tudo, claro, mas não darei detalhes sobre isso. haha

Autografado 😍

O enredo é bastante criativo e, mesmo sendo repleto de fantasia, é visível o quanto Juliana precisou pesquisar para escrever sua história, o que dá maior veracidade aos fatos abordados, já que ela encaixou os acontecimentos de Kiara em uma linha temporal, como se realmente tivesse repercussão no mundo real. Eu acho muito interessante quando o autor consegue inserir eventos fictícios de uma forma que faz com o que o leitor imagine que aquilo de fato possa ter ocorrido.

"— Vai passar o fim de sua vida me dizendo isso?
— Não, claro que não. Farei questão de lhe lembrar nas próximas."

O livro é narrado em terceira pessoa, mas acompanhamos o ponto de vista de Kiara. A editora trabalhou bem a diagramação do livro. A fonte é confortável, as páginas são amarelas e todas possuem as laterais detalhadas, assim como todo início de capítulo. Apesar de não gostar tanto de capas com esse tipo de desenho, achei bem interessante o trabalho que a autora fez para toda a série, em que as capas seguem o mesmo estilo e tudo que está inserido nela tem significado. É muito legal quando a capa representa algo da história, não existe apenas para chamar a atenção, e cada detalhe dessa capa foi planejado pela autora. O trabalho com a revisão também está bom, encontrei pouquíssimos erros durante a leitura. O que me incomodou um pouco foi a forma como a história é escrita, é cheia de diálogos, e senti que alguns deles ficaram meio soltos. Mas a edição que eu tenho é a primeira, então acredito que já tenha passado por outras revisões e ajustes para a edição mais recente.

Detalhes das páginas

Kiara foi um livro de que gostei, só acho que comecei a leitura com a expectativa alta demais. A história é interessante, bem estruturada, mas algumas vezes eu ficava um pouco perdida enquanto estava lendo e senti falta de algumas coisas serem mais bem elucidadas. Por ser uma série de quatro livros, acredito que na sequência eu irei enxergar melhor o que se passa por trás da história única do livro. Porém, se eu não tivesse interesse em ler os próximos, a história se encerra de forma bem satisfatória. Outra coisa que me desanimou foi que não consegui me vincular aos personagens. Mas Juliana criou personagens reais, com qualidades, defeitos, anseios e medos, e vamos descobrindo as diversas faces de suas personalidades com o avançar da leitura. Então, se você gosta de fantasia com uma pegada histórica, conheça esse nacional que pode te surpreender. 😉


logoblog