Cheiro de livro novo: O Enigma de Andrômeda

Título: O Enigma de Andrômeda
Autor: Michael Crichton
Páginas: 301
Editora: Rocco

Nono livro da Maratona Literária #EuTôDeFérias! Comprei esse livro na primeira vez em que fui ao Projeto Mais Leitura, escolhido com a ajuda do meu namorado. Achei a sinopse bem interessante, gosto dessas questões de extraterrestres e tal.
O livro é bastante técnico, o autor levou a sério a pesquisa científica envolvida na narrativa, então ele explica todas as coisas, os equipamentos, os procedimentos realizados. Gostei bastante disso, achei que tornou tudo muito mais real, o que me deixou bem interessada na história, apesar de algumas vezes acabar se tornando um pouco cansativo pela quantidade de informações. O problema é que achei a história inserida até demais no meio científico, principalmente explicando temas das ciências biológicas, como por exemplo a formação das proteínas, a reação do corpo na coagulação do sangue, a multiplicação das bactérias, e até como funciona um microscópio eletrônico. O autor mergulha em mundo de muita bioquímica, fisiologia e bacteriologia. Eu gostei bastante e consegui compreender tudo, mas não sei se uma pessoa que não tenha algum tipo de conhecimento prévio dessas áreas consiga entender tudo que o autor quer transmitir. Embora ele tente explicar tudo de "estranho" que coloca na história, não tem como ele entrar em todos os detalhes.

"Biologia, como dissera George Wald, era uma ciência singular pela incapacidade de definir seu elemento principal. Ninguém possuía uma definição para a vida. Ninguém, na verdade, sabia o que era ela. As velhas definições - um organismo que mostrava ingestão, excreção, metabolismo, reprodução e assim por diante - eram inúteis. Sempre se podiam encontrar exceções."

Era uma noite comum de trabalho para o tenente Edgar Comroe, que comandava uma missão de resgate a um dos satélites do Projeto Scoop, um projeto secreto que visava coletar microrganismos da atmosfera da Terra, com o objetivo de encontrar seres extraterrestres. Deveria ser um missão bem fácil, já que dois homens estavam usando um carro para encontrar a localização do satélite caído e buscá-lo, enquanto ele ficava em sua sala ouvindo as informações e esperando a noite acabar. 
Mas como as coisas nem sempre ocorrem como planejado, o tenente Shawn e o soldado Crane, que estavam em busca do satélite, que parecia ter caído em uma cidadezinha escondida e pequena chamada Piedmont, notaram coisas estranhas no lugar. Primeiro, a cidade estava completamente silenciosa, parecia vazia; segundo, haviam corpos no chão.

"Essas considerações me levam a crer que a primeira interação humana com a vida extraterrestre consistirá em contato com organismos semelhantes a, se não idênticos a, bactérias ou vírus terrestres. As consequências de um contato desses são perturbadoras quando nos lembramos de que 3 por cento de todas as bactérias da terra são capazes de exercer algum efeito danoso sobre o homem."

O governo já havia sido previamente avisado por um grupo de cientistas que algo assim poderia ocorrer em algum momento da exploração espacial, portanto já haviam construído um prédio totalmente preparado com laboratórios estéreis e equipamentos de última geração, assim como havia uma equipe preparada para se reunir e estudar o microrganismo assim que fossem chamados. E isso era o Projeto Wildfire.
Quatro homens receberam o chamado: Jeremy Stone, um renomado bacteriologista, quem incentivou a criação do Projeto; Peter Leavitt, microbiologista clínico, que trabalhava com doenças infecciosas; Charles Barton, um patologista meio desastrado; e Mark Hall, um cirurgião, que não entendia porque aceitou fazer parte disso. Os quatro reuniram-se no prédio do Projeto Wildfire e logo começaram a trabalhar, pois um ser capaz de tantos estragos precisa ser rapidamente compreendido e detido.

"Uma bactéria que matava seu hospedeiro também era mal-adaptada. Porque qualquer parasita que mate seu hospedeiro é um fracasso. Ela morre junto com ele. Os parasitos bem-sucedidos eram os que podiam viver do hospedeiro sem matá-lo.
E os hospedeiros mais bem-sucedidos eram os que podiam tolerar o parasita, ou até mesmo transformá-lo em vantagem, para fazê-lo trabalhar para o hospedeiro."

As fontes de trabalho deles eram a cápsula do satélite Scoop, um alcoólatra idoso e um bebê (os únicos sobreviventes da cidade) e algumas poucas informações sobre como, aparentemente, algumas pessoas morreram subitamente com a mão no peito e outras enlouqueceram e se suicidaram, no momento em que entraram em contato com o organismo. 

"Como Stone gostava de dizer, a pesquisa científica era muito parecida com prospecção: você saía e caçava, armado com mapas e instrumentos, mas no fim seus preparativos não importavam, ou sequer sua intuição. Você precisava de sorte, e dos benefícios que pudessem auferir puramente do trabalho duro."

Achei a história muito interessante e bastante realista, afinal não é algo muito improvável de acontecer algum dia. Seria bom se realmente alguém estivesse preparado para lidar com uma situação como essa. O autor escreveu tantos detalhes, explicou tantas teorias, até colocou as referências bibliográficas (!), que achei muito difícil não acreditar que tudo foi real, que em algum momento da década de 1960 isso aconteceu e agora ele só estava nos contando na forma de um livro. rs
Só não gostei do final, achei que ficou muito corrido, que podia ter terminado de uma forma melhor. Acho que ficou muito vago, como se o autor tivesse atingido seu limite de páginas e precisasse terminar o livro naquele momento. Mas o restante da história compensou e achei muito bom. Se alguém tem interesse na área científica, voltada para biologia, principalmente de microrganismos, ou simplesmente curta ficção científica realista, acredito que vá gostar bastante do livro. Só é preciso um pouco de paciência e dedicação. ;)

"Costumava dizer com frequência que a inteligência humana provocava mais problemas do que vantagens. Era mais destrutiva do que criativa, mais confusa do que reveladora, mais desencorajadora do que satisfatória, mais egoísta do que caridosa."


PS: Fizeram dois filmes baseados no livro. O primeiro foi lançado em 1971 e o segundo em 2008. Fiquei curiosa e tentarei ver. Quem sabe não faça um FilmeXLivro? Mas acho que assistirei o mais recente (melhores efeitos especiais haha). xD

Maratona:
Primeiro livro: Os contos de Beedle, o bardo
Segundo livro: O lado bom da vida
Terceiro livro: Morte nas nuvens
Quarto livro: Feed - conexão total
Quinto livro: Dom Quixote
Sexto livro: A estrada da noite
Sétimo livro: Revelada
Oitavo livro: O reino das vozes que não se calam