Cheiro de livro novo: A Estrada da Noite

Título: A Estrada da Noite
Autor: Joe Hill
Páginas: 254
Editora: Arqueiro

O sexto livro da Maratona Literária #EuTôDeFérias foi de arrepiar! Comprei esse livro na Black Friday de 2012 porque achei a sinopse bem interessante e diferente do que eu estou acostumada a ler, mas ele estava desde então intocado na minha estante. Acho que eu estava um pouco temerosa de não gostar, já que, se eu não me engano, foi o primeiro livro desse gênero que eu peguei para ler na vida. Mas não me arrependi de ter comprado, adorei a história e com certeza vou tentar ler outros nesse estilo.

Judas Coyne tem 54 anos e era líder de uma famosa banda de rock pesado, que acabou se desfazendo quando dois integrantes morreram em condições trágicas, alguns anos atrás. Ele ainda produz músicas e faz apresentações solo, mas já está começando a se sentir velho e cansado para essas coisas. Já foi casado, mas um dia a esposa se cansou e foi embora, algo de que ele se culpa e sente falta até hoje. Agora ele tem apenas romances que não duram muito tempo, com mulheres góticas que têm idade para serem suas filhas e que ele encontrou dançando em alguma boate de strip-tease.

"É um truque que ensinei a mim mesma para clarear a cabeça. É como beliscar a si próprio num sonho. Você sabe, a dor serve para despertar você. Ou fazer com que se lembre de quem você é."

Jude possui uma curiosa coleção de objetos macabros, como uma corda usada em um enforcamento, um crânio furado e um vídeo de um assassinato real. Um dia, Danny, seu assistente, descobre em um leilão na internet uma mulher vendendo o paletó de seu padrasto, que teoricamente é assombrado por seu fantasma. Logicamente fica interessado e o compra. 
Em poucos dias recebe em casa uma caixa negra em formato de coração, contendo o paletó do morto. O que ele não esperava era que o paletó realmente era assombrado, mas isso nem era o pior da história. O fantasma, Craddock McDermott, era padrasto de um ex-namorada de Jude, que ele chamava de Flórida. Ela tinha picos de depressão, o que começou a irritá-lo, fazendo com que ele a mandasse de volta para casa. Então ela se suicidou, o que o o padrasto morto e a irmã viva de Flórida consideram ter sido culpa de Jude. Aproveitando-se da morte, Craddock voltou para vingar-se matando Jude.

"Ninguém vai ajudá-lo — disse ela, a voz estrangulada e trêmula de fúria. — A marca negra em você vai infectar qualquer um que fique do seu lado. Você não vai sobreviver e todo mundo que tentar ajudá-lo vai morrer. — Recitava isso em meio à raiva, como uma fala que houvesse ensaiado, o que talvez tivesse feito mesmo. —  Todos vão fugir de você ou vão ser destruídos. Você vai morrer sozinho, está me ouvindo? Sozinho."

Craddock é um fantasma assustador e poderoso. Em vida ele era hipnotizador, e usava seu pêndulo com uma lâmina afiada não apenas para hipnotizar as pessoas, mas também para encontrar objetos e água, além de se comunicar com os mortos. Em morte, seu conhecimento está sendo mais útil do que nunca e seu poder de persuasão é muito forte.

" — Os mortos reclamam o que lhes pertence, Craddock. Mais cedo ou mais tarde, reclamam o que lhes pertence."

Jude, junto com sua mais nova namorada gótica, Geórgia, e seu casal de cães pastores, tenta de tudo para se livrar do morto, até que resolve pegar o carro e fugir de casa. Ao longo da viagem, ferido e perseguido por um fantasma, seus planos vão mudando e muitas coisas vão ficando claras em sua cabeça. Ele relembra seu passado, seu pai violento, o motivo que o fez sair de casa, a esposa que o abandonou e as fãs-namoradas que largou, o convívio com os antigos colegas de banda... E aos poucos sua atual situação também vai sendo compreendida, com uma assombrosa definição surgindo.

"Sempre achei que, quando algo realmente ruim acontece a alguém, os outros têm de saber. A pessoa não pode ser como uma árvore caindo nos bosques sem ninguém para ouvir a queda."

Gostei muito do livro, curti bastante o gênero e não achei tão assustador quando eu esperava. Na verdade, nem achei assustador, mas com certeza é diferente do que estou acostumada a ler. É um livro bem surpreendente, os personagens conseguiram me conquistar com suas complexas histórias de vida, e mesmo Jude sendo um tanto rude algumas vezes, gostei dele e torci para ele conseguir resolver seu "problema".



Descobri que Joe Hill é filho do famoso escritor de suspense/terror Stephen King. Tal pai, tal filho. rs Nunca li nenhum livro de Stephen King, mas depois desse fiquei curiosa para ler mais livros desse gênero.
Não sei por que a Arqueiro resolveu fazer uma tradução tão diferente do título original, que é "Heart-Shaped Box". "A estrada da noite" até faz sentido, já que é citada muitas vezes ao longo da história, mas acho que "A caixa em forma de coração" é mais marcante, sei lá. A caixa também é muito importante na história, e foi o título que o autor quis dar para o livro. Não gosto dessa coisa de ficar mudando completamente o sentido do título original. rs Também descobri (através do meu namorado) que Heart-shaped box é o nome de uma música do Nirvana (muito louca por sinal. Tradução no site Vagalume). Até que faz sentido para mim, já que Jude é roqueiro e tal, e está sempre citando alguma música de alguma banda famosa. Achei interessante.

Aqui a trilha sonora para quem curte ou para quem ficou curioso (o clip é tão bizarro quanto a música):


Outras capas (em Portugal é "A caixa em forma de coração") :


PS: Acho que demorei bem mais para escrever as "curiosidades" sobre o livro do que a resenha em si. Quanta coisa! rs

Maratona:
Primeiro livro: Os contos de Beedle, o bardo
Segundo livro: O lado bom da vida
Terceiro livro: Morte nas nuvens
Quarto livro: Feed - conexão total
Quinto livro: Dom Quixote