Em Cartaz: Venom

Venom
Data de lançamento: 4 de outubro de 2018 
Duração:1h 52min
Direção: Ruben Fleischer
Elenco: Tom Hardy, Michelle Williams, Riz Ahmed
Gêneros: Ficção científica, Ação

Distribuidor: SONY PICTURES
Nacionalidade: EUA

Não recomendado para menores de 14 anos

Meu primeiro pensamento quando começaram a divulgar esta produção foi que não fazia muito sentido um filme sobre o Venom sem a figura do Homem-Aranha. Afinal, eu conheci o personagem no terceiro filme desta franquia, em 2007. Mas, exatamente por não conhecer muito bem o personagem, achei mais prudente assistir ao filme antes de julgá-lo. Confesso que fui assisti-lo sem muitas expectativas, até já tinha ouvido alguns elogios sobre o longa mas não cheguei a ficar muito empolgada. Entretanto, esse é um gênero que eu gosto bastante, então decidi arriscar.

Logo no início do filme conhecemos Eddie Bruck, um jornalista investigativo. Ele não é uma pessoa muito fácil de lidar, é teimoso e muito impulsivo, mas possui certo reconhecimento na sua carreira jornalística. Quando seu editor o convoca para entrevistar Carlton Drake, o criador da Fundação Vida, uma fundação que realiza pesquisas nas áreas médicas e espaciais, Eddie não fica muito interessado. Mas, coincidentemente, ele se depara com um documento confidencial no e-mail de sua namorada, a bela advogada Anne Weying, e descobre que existem algumas acusasões muito graves contra o empresário.



Entretanto, tocar nesse assunto com Carlton se revela uma encrenca maior do que Eddie poderia imaginar e logo ele se vê sem emprego e sem namorada. Porém, ao ser procurado por uma das pesquisadoras da Fundação, ele acaba voltando ao lugar que lhe causou tantos problemas. É quando ele tem contato com Venom, um dos simbiontes alienígenas que Carlton tem usado em suas pesquisas e Venom faz de Eddie seu hospedeiro.

Posso dizer que fiquei muito satisfeita com o que encontrei no longa, estava esperando algo muito mais sombrio e pesado, mas o que encontrei foi bastante bom humor. O filme lembra um pouco de Deadpool, mas o seu humor é mais leve, não tem todo o besteirol apelativo de Deadpool, o que para mim foi excelente. Tanto Venom, quanto Eddie são personagens que nos cativam facilmente, seus diálogo são sensacionais e, ao longo da produção, começamos a ver no monstro, indícios de humanidade. O enredo é bem desenvolvido e, além do bom humor, conta com uma boa dose de cenas de ação e é um pouco violento, mesmo que não mostre muito sangue, propriamente dito.

Se você também é fã do gênero e curtiu os últimos lançamentos da Marvel e da DC, acredito que não irá se decepcionar. Por último, eu não podia esquecer de avisar: há uma cena pós créditos que indica para uma possível sequência, fique ligado!


logoblog