Livros *----* Clickbait

Título: Clickbait
Autor: Paulo Mateus
Páginas: 133
Editora: Independente
Avaliação: 4/5
Compre o e-book na Amazon

Cristina é uma jovem de 23 anos que mora sozinha desde que perdeu seus pais, em um acidente de carro. Ela vive uma vida simples e sem grandes pretensões, trabalha em uma loja de eletrônicos e junta o dinheiro o que consegue para entrar na Universidade, mesmo que isso as vezes lhe pareça um sonho distante. Sua rotina é bem puxada: ela sai cedo, trabalha o dia inteiro e tudo o que deseja ao chegar em casa é se distrair um pouco, comer e dormir. Mas, ao chegar após mais um longo dia, Cristina fica um tanto intrigada ao se separar com um pássaro dotado de uma exótica cor azul.

O mesmo pássaro aparece no dia seguinte enquanto ela caminha para o trabalho, ela acaba por segui-lo e cai dentro de uma tampa de esgoto. Mas ao invés de cair nos canos sujos da cidade em que vive, ela se vê em uma ilha pequenina onde encontra um coqueiro, um punhado de pássaros azuis e um robô chamado Said. Sua surpresa não poderia ser maior do que descobrir que está no mundo da Internet. Enquanto acompanha Said para longe da ilha em que estão, precisam enfrentar alguns piratas. Mas esse é apenas o primeiro perigo que irão enfrentar na longa jornada de Cristina para casa. Pois, para isso, precisarão encontrar-se com o deus Google e logo descobrirão que há uma instabilidade entre os mundos, causada pelo roubo do motor de buscas, e Cristina só conseguirá voltar para cada quando o dispositivo for recuperado.

"-Do lugar de onde venho os robôs só existem para ajudar os humanos- disse ela percebendo que  vibração tinha parado.
-Ajudar humanos?- Said soou incrédulo, mesmo com sua voz metalizada e seu rosto de poucas expressões. -Deve ser um mundo realmente primitivo, não entendo por que quer voltar para lá."

Talvez vocês tenham notado uma leve semelhança com a história de Alice no País das Maravilhas. Não sei se essa foi realmente uma inspiração do autor mas desde que li a sinopse do livro fiz essa associação. Não conheço a história de Alice tão bem porque nunca a li realmente, mas não identifiquei muitas outras associações no enredo, além da ideia inicial. O mundo criado por Paulo Matheus é totalmente inspirado na realidade virtual e temos menções sobre jogos virtuais, a apple, o android, a deep web, etc. É tudo muito criativo e não tem como imaginar o que iremos encontrar no próximo parágrafo. Além disso, a sua escrita é muito bem humorada e houveram algumas críticas que apenas um autor nacional poderia fazer ou então poderiam soar um tanto ofensivo. 

Foi uma leitura bem diferente e eu diria que até um tanto louca. E, isso pode ser tanto um ponto positivo, quanto negativo. Eu confesso que não fiquei completamente vidrada na história mas me senti suficientemente curiosa com a originalidade do enredo para lê-lo rapidamente. Entretanto, os acontecimentos eram muito imprevisíveis e, as vezes, isso era um pouco cansativo. Cristina é uma personagem bem tranquila, apesar de desejar voltar para seu mundo, não existia uma urgência nela para que isso acontecesse. Isso pode parecer esquisito numa primeira análise, mas se pensarmos mais sobriamente, Cristina não tinha nada que lhe prendesse realmente à Terra, não tinha uma pessoa especial que havia deixado ou alguma tarefa inacabada que fosse realmente importante. E, a aventura em que ela foi lançada me pareceu muito mais excitante do que seu dia a dia propriamente dito. 

"Mas naquele momento  nada disso importava, ela já estava se imaginando de volta ao mundo normal, acordando de um sonho muito estranho depois de beber loucamente em alguma festa."

Said é um robô ultrapassado, ele vê em Cristina um nova razão para sua existência, então nega suas antigas programações e se empenha em ajudá-la. Quanto ao deus Google, ele foi caracterizado como um típico deus grego, bonito, poderoso, presunçoso e vaidoso. Recomendo para aqueles que curtem uma leitura bem humorada e estão dispostos a saírem de sua zona de conforto.

Leia também:
Parceria com autor Paulo Mateus
Entrevista com autor Paulo Mateus
Resenha Fuga para o Paraíso
logoblog