Cheiro de livro novo: Dominus Mortuorum

Título: Dominus Mortuorum
Autor: Décio Gomes
Páginas: 169
Editora: Tribo das Letras
Série: In Nomine Patris
Próximo: Sanguinis Sigillum

Esse livro foi o meu escolhido para o segundo desafio do Projeto Lendo Nacionais, um livro de um gênero que eu nunca leio. Terror é um gênero que costumo evitar porque sou facilmente impressionável. O único livro que li foi A Estrada da Noite, mas considero mais um suspense do que terror de fato. Além do conto do nosso parceiro Carlos Rodrigo, Rezadeira. Fiquei curiosa para ler esse do Décio, até porque a sinopse não me transmitiu nada que pudesse ser muito assustador, então resolvi investir nesse novo estilo de leitura e me surpreendi positivamente.

"Jullian era um venator. Um membro da igreja escolhido por Deus — e também por homens — para caçar o mal. O mal em sua mais pura forma. 
Jullian Bergamo era um exterminador de demônios."

Jullian Bergamo é um padre com dons especiais. Desde muito jovem, seu talento para sentir e combater as forças malignas foi percebido, o que fez com que, com apenas 25 anos, fosse nomeado um venator pela Ordem Mundial da Igreja Católica. Passou então a realizar missões, combatendo as criaturas do inferno sempre que necessário. O que mais o incomoda nessa vocação é precisar mudar-se constantemente, pois um representante da Luz não pode permanecer em um mesmo local por mais de 665 dias, ou correrá o risco de ser corrompido pela Escuridão.

"Sombra e Luz jamais compreendiam, porém, que uma sem a outra não poderia existir. Eram seu próprio alfa e ômega, e estariam, por toda a eternidade, a esperar por um trono que a nenhuma das duas jamais pertenceria."

Dessa vez, seu ofício o levou para a pequenina cidade de Willinghill. Entre cidades pequenas, a informação corre rápido, e a fama do jovem padre alcançou sua nova moradia antes que chegasse. Não esperava, porém, que seu primeiro caso já seria tão complexo. Logo em sua primeira noite, antes mesmo de conseguir descansar da viagem, é chamado para ajudar um casal que está com um filho aparentemente possuído. Mas os pais da criança estão escondendo uma informação muito importante e Jullian descobre da pior maneira que aquele não é um caso comum.

"— Há quem se pergunte a mesma coisa sobre mim. Por que eu preferi caçar demônios ao invés de ser um padre comum. A verdade, meu caro, é que cada um de nós recebe uma vocação, seja ela matar criaturas ou fazer sopa."

Jullian depara-se com um Mormo, um demônio necromante, que transforma cadáveres em mortos-vivos. Um demônio forte e extremamente perigoso, difícil de ser combatido. O Mormo acaba sendo um dos maiores desafios de toda a trajetória de Jullian como caçador. Mesmo com tanto estudo, equipamentos específicos, inteligência e dedicação do padre, o demônio rapidamente consegue espalhar o caos por onde vai passando e causa diversas mortes. Com a ajuda de George Mosley, o homem que Jullian conhece em sua primeira noite em Willinghill, ele parte atrás dessa criatura cruel antes que cause ainda mais dor e destruição, tendo que ficar cara a cara com a morte, literalmente, durante o percurso.

"— Embora existam muitas coisas neste mundo que não conhecemos, é certo que uma das únicas destas coisas que não podem ser desfeitas é a morte." 

Jullian é um personagem cativante. É jovem, mas muito corajoso e já tem uma boa experiência com demônios. Eu não sabia muito o que esperar de um padre como protagonista, mas imaginava que o personagem seria mais sério e talvez até mais idealizado. Mas Jullian se mostra um ser humano comum, com seus momentos de preguiça, raiva e descontração, sem nunca deixar de lado sua fé e simpatia. Ele gosta muito do que faz e é muito bom nisso. George é um homem grande e bruto, mas de bom coração. Com um jeitão de lenhador/caçador, torna-se grande amigo do padre. É um personagem divertido, que sofre muito por causa do Mormo, o que o motiva a caçá-lo até o fim. 

O enredo me agradou bastante. Fiquei com medo de me assustar durante a leitura, mas isso realmente não aconteceu. O livro me pareceu muito mais uma fantasia ou ficção científica por causa da quantidade de cenas com zumbis. Nunca fui muito fã desses mortos-vivos por achá-los nojentos, então me preocupei da narrativa se resumir a isso. Com certeza os zumbis protagonizam a maior parte da ação do livro, mas nós sabemos que o verdadeiro mal está por trás de tudo aquilo, fugindo e se escondendo, e quando ele resolve aparecer na história, não deixa a desejar. Confesso que quando li a sinopse e comecei o livro, me lembrou demais a série Supernatural (que amo! haha), mas o livro seguiu seu próprio rumo e achei bem original a forma como o autor conduziu a história. 

"'Viver é remexer-se constantemente em um túmulo'"

Como li o e-book, não posso falar sobre a diagramação. Não lembro de ter encontrado nenhum erro durante a leitura. A capa do livro é bem intrigante e sombria, combina com a história.
A história é narrada em terceira pessoa, em quase todo o livro pelo ponto de vista do Jullian. Décio tem uma escrita muito boa e consegue fazer o leitor se prender na leitura sem perceber. Apesar do livro ser pequeno, não achei que ficou faltando nenhuma informação. Tudo é muito bem explicado, a história é detalhada, os personagens são bem construídos. Em nenhum momento a leitura é cansativa, até me surpreendi por ser mais leve do que imaginava. O final foi intrigante, com um gancho para o segundo livro que me deixou realmente curiosa para ler logo o próximo.
É um livro muito bom, com um enredo interessante, original, bastante ação, suspense e personagens simpáticos. Recomendo para quem curte o gênero e para quem nunca leu e hesita um pouco em se arriscar, como eu. Desde que você não tenha pavor de zumbis, acredito que a leitura vá agradar. :)



Veja também: