Cheiro de livro novo: Querido John

Título: Querido John
Autor: Nicholas Sparks
Páginas: 276
Editora: Novo Conceito

Acreditem ou não, mas esse foi o primeiro livro do Nicholas Sparks que eu li. Alguns podem pensar "Que absurdo! Como assim você nunca leu NENHUM livro dele em todos esses anos?". Eu sempre ouvi muito bem sobre os livros dele, mas não tive oportunidade nem extrema vontade de ler, sempre colocando outros livros na frente. Quando peguei esse, nem estava muito animada para ler mais um romance triste, não queria chorar por mais uma história. Talvez tenha sido isso que me fez realmente não chorar com esse livro. Não achei tão emocionante como esperava que fosse. Ou talvez ele simplesmente não seja um livro para te fazer chorar, não sei bem.
Quem nos conta sua história é John, um homem solitário, criado na praia, que adora surfar e que está no exército há alguns anos, optando por esta
vida por ver que ser um rebelde sem causa não o levaria a lugar algum. Em uma de suas licenças anuais, após já ter passado algum tempo trabalhando, e já bastante mudado, conhece Savannah, uma garota das montanhas, que faz faculdade de educação especial e adora cavalos, uma "filha perfeita". Pode até parecer que eles não têm nada em comum, mas a atração entre eles é praticamente instantânea, um caso de amor à primeira vista. John tem apenas duas semanas de licença, mas eles conseguem fazer com que esses poucos dias que passam juntos sejam os mais especiais de suas vidas. A cada dia eles se apaixonam mais e decidem que por esse amor vale a pena lutar. John ainda precisa ficar no exército por mais dois anos antes de poder sair, e Savannah promete esperá-lo para casar com ele.

"Nós éramos tão diferentes. Savannah era uma garota da montanha, doce e talentosa, criada por pais atenciosos, que desejava ajudar os necessitados; eu era um soldado do exército, tatuado, nada refinado, e um estranho em minha própria casa."

O simples fato de começarem um namoro à distância do nada e sabendo que só poderiam se ver duas semanas por ano até ele sair do exército já poderia desanimar qualquer um, mas não a eles. O problema é que muitas coisas inesperadas acontecem em apenas um ano, e definitivamente o destino não estava conspirando para ajudá-los.

"Segundo meu pai, quando você está em dificuldades, olhe as pessoas ao redor e verá que todas estão sofrendo por algo, e para cada uma delas, a situação parece tão difícil como o que você está passando."

No inicio do livro, John já deixa bem claro que eles se separaram, então durante o tempo que ele conta como foi o romance deles, já ficamos esperando o momento do término. Mas como os autores gostam de brincar com nossas emoções, durante o livro inteiro eu fiquei me perguntando se aquele início indicava realmente o fim, ou se teria um fim-após-o-fim, em que eles ficariam juntos de novo.

"Quando alguém termina algo mal resolvido, sente um desconforto, quase uma dor, até descobrir a verdade."

Achei o início do livro um pouco lento, ele passa muito tempo falando detalhes sobre o pai dele (que eu achei um tanto estranho no começo, antes de entendê-lo) e sobre o passado rebelde. Fiquei me perguntando se era necessário saber todos esses detalhes e posteriormente descobri que sim, eles eram úteis. Depois ele conta como conheceu Savannah e a história começa de fato.
Eu achei o romance entre eles muito fofo, principalmente nos primeiros dias, porque apesar dos dois quererem algo mais, eles foram bem devagar, passaram por algo que eu e minhas amigas chamamos de "pré-namoro". rsrsrs Porém, em alguns momentos, eu achei que ele ou ela foram muito idiotas. Mas acho que isso é normal, se não tivessem brigas desnecessárias seria muito irreal... Já o término iminente eu achei realmente desnecessário. Mas vou guardar meus comentários sobre isso para alguém que já tenha lido o livro (Isabela, pleaseee, preciso falar sobre isso! hahaha). Por fim, achei o relacionamento dele com o pai muito mais emocionante do que o namoro com Savannah. E achei o final do livro bom e ruim, se isso faz algum sentido para vocês. rsrs

"...as pessoas mais tristes que já conheci na vida são as que não se importam profundamente com nada. Paixão e satisfação caminham lado a lado. Sem elas, qualquer felicidade é apenas temporária, porque não há o que a faça durar."

E você, já leu esse livro? O que achou da história? Se não leu, tem vontade de ler? Deixem seus comentários!


logoblog