Cheiro de livro novo: Estrela da Noite

Título: Estrela da Noite
Autora: Alyson Noel
Páginas: 234
Editora: Intrínseca
Série: Os Imortais #5
Anterior: Chama Negra
Próximo: Infinito

Sempre que leio um livro dessa série, me pergunto por quê me torturo com isso. Eu simplesmente não quero abandonar a história, quero saber qual vai ser o final, mas está cada vez mais difícil aguentar tanta enrolação. Eu só consegui me forçar a ler esse livro logo porque prometi para mim mesma que deveria lê-lo esse ano e que, assim que o concluísse, poderia ler o livro que estava louca para pegar. Motivação é tudo. haha

"Sei que os desejos nem sempre se realizam do modo que queremos, mas, se a gente acreditar e mantiver a mente aberta, há uma chance muito boa de que se concretizem de alguma forma."


Ever está sempre com novos problemas e dessa vez não poderia ser diferente. Haven, sua ex-melhor amiga, está cada dia mais poderosa e perigosa. Depois da morte de Roman, da qual Haven a culpa, apesar de ter sido Jude quem a causou, seu ódio apenas aumenta e está decidida a dar a Ever esse mesmo destino: destruí-la e condená-la a passar a eternidade em Shadowland, o lugar sombrio para onde as almas dos imortais são enviadas quando morrem. 

"— O perdão, Ever, pense nisso. É tão fácil pregar e tão difícil praticar. Talvez devesse se perguntar se você é realmente capaz disso."

O fato de ter perdido a única fonte do antídoto que permitiria que ela e Damen voltassem a se tocar deixa Ever cada vez mais frustrada. Tudo que ela deseja é poder ter uma vida normal com o namorado, e Haven também sabe como usar isso contra sua mais recente inimiga. Além disso, parece que Roman deixou muitas informações sobre o passado em comum que teve com Damen, informações sigilosas, que Damen preferiu nunca compartilhar com a amada. O que poderia ter acontecido de tão grave ao ponto de Damen preferir ocultar de Ever, mesmo quando prometeram não ter segredos um com o outro?

"— Há muitos motivos para não lembrarmos de nossas vidas passadas quando reencarnamos, e o que você acabou de vivenciar é um deles. Às vezes são memórias dolorosas demais para lidarmos com elas, duras demais para superá-las. Lembranças assombram. Eu sei disso. Venho sendo assombrado por várias das minhas. Há seiscentos anos."


Além de ter que se preparar física e mentalmente para a batalha iminente que ocorrerá entre ela e Haven, Ever também decide que precisa de um tempo para refletir sobre tudo que vem acontecendo ao longo desses séculos, em que constantemente ela e Damen se reencontram, mas nunca conseguem ficar juntos. Poderia haver um motivo concreto para que algo sempre os impeça de serem felizes? E qual é o papel de Jude durante todas essas vidas?

"(...) Há sempre algo atrapalhando minha felicidade definitiva com Damen.
E não posso deixar de pensar se não haveria um motivo por trás disso.
O universo não é tão caótico quanto parece.
Há um motivo definido para tudo."

Mais uma vez Ever está cheia de dúvidas e precisa definir quais serão as escolhas certas que determinarão seu futuro. Novamente ela precisará reunir forças para realizar essas ações sozinha. Como se não bastassem tantos problemas, ainda enfrenta a dificuldade de aceitação de sua tia, com quem não consegue mais criar laços.

"— Tudo depende da intenção. Quando se coloca todo o foco em um problema, só se consegue mais problema. Mas quando se coloca o foco em ajudar, a energia se direciona para a ajuda, não para o problema. (...) Basicamente, sempre que alguém busca uma solução, tem emoção positiva, e sempre que olha para o problema, tem uma emoção negativa, que, como você sabe, nunca leva a lugar algum. Assim que tira o foco de si mesmo e de suas necessidades e o coloca na forma de conseguir algo que pode beneficiar também outra pessoa, bem, então é impossível não dar certo."

Essa foi a leitura mais arrastada dos últimos tempos. Eu tive que me forçar muito a continuar, porque parecia que a cada página eu me sentia mais desmotivada. Inclusive fui pulando alguns parágrafos para acelerar, porque não faziam a menor diferença e eu estava sem paciência (e foi a primeira vez que fiz isso com um livro).

Senti que dessa vez Ever estava mais madura. Pela primeira vez, estava mais consciente de suas atitudes e não tentava resolver tudo sozinha e de forma inconsequente. Haven foi quem me irritou profundamente. Realmente não sei como ela se tornou essa pessoa egocêntrica. Ela perdeu completamente a razão. Damen continua perfeito e paciente como sempre. Nada novo a acrescentar. Jude ainda é o mesmo rapaz bondoso e que tenta, sem sucesso, conquistar Ever. Um personagem que recebeu maior destaque, o que me deixou feliz, porque pareceu ser a pessoa mais sensata da história toda, foi Miles. Sempre ficava mais animada quando ele aparecia.


O enredo desse livro continua o lenga-lenga de sempre. Ever quer o antídoto para poder finalmente ter um contato íntimo com Damen. Alguém quer matá-la, nesse caso, Haven. Ela precisa enfrentar vários problemas e dúvidas sobre seu passado, presente e futuro. Blá blá blá. Sério, isso tudo já deu. Acho que essa série poderia ter pulado do segundo livro para o último. Parece que é tudo só enrolação, não vejo nenhum acréscimo relevante. A gente descobre só uma ou duas coisas que parecem interessantes, mas continuam super misteriosas. E ficar só acumulando mistérios, sem nunca dar nenhuma resposta, é realmente bem irritante.

"— (...) E, para que eu aprenda e cresça e me aperfeiçoe, preciso viver. Preciso ter uma vida plena, em todos os seus estágios... juventude, meia-idade, velhice... quero tudo. (...) Esse medo da morte do qual conseguiu se livrar, eu o quero. Droga, eu preciso dele! É uma das forças mais básicas e primitivas que temos para nos guiar... Então, por que eu deveria considerar me livrar disso?"

Como todos os livros da série, esse também é narrado em primeira pessoa pela Ever. E ela é uma pessoa muito repetitiva em seus pensamentos, o que torna a leitura um tanto enjoadinha. A diagramação também segue o mesmo padrão. A fonte é boa, mas acho que a letra poderia ser um pouquinho maior. O livro não possui detalhes. A edição que eu tenho é a econômica, sem as orelhas e com a capa fina. Falando na capa, eu achei essa bem esquisita. Acho que é a que menos gostei, de todas da série. A revisão está muito boa, lembro de ter encontrado pouquíssimos erros de digitação.

Para finalizar, me obrigarei sim a ler o último volume para poder concluir a série e saber como tudo será resolvido (porque certamente será). Não darei prioridade para essa leitura por enquanto, mas quero me livrar dessa série inacabada. Mas se você me perguntar se eu recomendo a leitura... Não. Definitivamente, não desejo esse martírio para mais ninguém. O primeiro livro foi muito bom e de lá para cá só declinou. Espero que o último me surpreenda, mas estou com zero expectativa.

logoblog