Filme vs Livro Maze Runner #3: A Cura Mortal

A Cura Mortal - Maze Runner #3
Data de lançamento: 25 de janeiro de 2018 X Ano: 2012
Duração: 2h 22min X Páginas: 368
Direção: Wes Ball X Autor: James Dashner
Elenco: Dylan O'Brien, Kaya Scodelario, Thomas Brodie-Sangster X Editora:V&R Editoras
Gêneros Ficção científica, Aventura
Nacionalidade: EUA
Não recomendado para menores de 12 anos

Sinopse: No terceiro filme da saga, Thomas (Dylan O' Brien) embarca em uma missão para encontrar a cura para uma doença mortal e descobre que os planos da C.R.U.E.L podem trazer consequências catastróficas para a humanidade. Agora, ele tem que decidir se vai se entregar para a C.R.U.E.L e confiar na promessa da organização de que esse será seu último experimento.

Já se tornou uma tradição para mim ler os livros dessa série pouco antes ou depois de assistir aos filmes, de forma a ter tudo fresquinho na memória e poder fazer as devidas comparações. Mas as adaptações dessa série nunca foram das mais fieis, para desespero dos leitores... Dessa vez eu vi o filme primeiro, mas pouco depois realizei a leitura e aqui estou eu para contar pra vocês o que achei das obras.

1) Qual foi seu preferido - o filme ou o livro?
Eu sai da sala de cinema, depois de assistir ao longa, bastante satisfeita com o que havia encontrado e logo imaginei que isso poderia ser um problema na hora de realizar a leitura, considerando o quanto os filmes anteriores haviam se distanciado dos livros. Mas, segui firme com meu objetivo de ler o último volume da trilogia. Ao terminar a leitura, constatei o que mais temia, gostei mais do filme dessa vez. A forma como o diretor dirigiu os acontecimentos para o desfecho da história foi muito mais crível no filme, bem como o desenvolvimentos dos personagens e o grande final.


2) Quais foram as maiores diferenças encontradas?
Em se tratando de Maze Runner talvez seja mais falar das semelhanças do que das diferenças propriamente ditas.. 😆😂 Mas vamos lá, já encontramos divergências desde o início, no livro todos os clareanos haviam sido capturados pelo CRUEL e receberam a notícia de que iriam receber suas lembranças de volta e assim entenderiam os motivos das experiências do CRUEL, que na verdade, aconteciam em prol de um bem maior. Mas, Thomas, Newt e Minho não concordam com a ideia e fazem de tudo para escapulir das mãos de seus captores. Por outro lado, no filme, apenas Minho havia sido capturado e os seus amigos tramam uma missão de resgate.

Entretanto, há alguns pontos comuns, como a cidade, as mortes e as reflexões filosóficas. Pois, apesar dos motivos que levaram os clareanos até a cidade terem sido diferentes, ela concentra boa parte do enredo em ambas as obras. Porém, no livro, as coisas não terminam por lá, uma vez que o quartel general do CRUEL está localizado em outro local, e, eu achei interessante que o autor James Dashner voltou a levar seus personagens até o labirinto, o local onde tudo começou, para enfim terminar a trilogia. Outra questão são as indagações filosóficas, como: até que ponto vale a pena sacrificar alguns em prol do todo? Os fins justificam os meios? Eu gostei dessas reflexões e acredito que o filme teria perdido seu propósito se não as tivesse incluído. Mas, o livro explicou um pouco melhor a forma como tudo começou, como o mundo caiu em decadência e o vírus do Fulgor surgiu. Apesar dessa ainda ser uma explicação bastante superficial, uma vez que há outros livros da saga que abordam esse momento da história com uma ênfase maior. Também podemos destacar as perdas de vidas humanas, que mesmo que as circunstâncias não tenham sido exatamente iguais, foram as mesmas pessoas que se foram.

Ademais, fiquei aliviada por constatar que o Braço Direito não havia sido uma invenção do diretor cinematográfico. James Dashner finalmente nos apresentou ao grupo rebelde que já havia dado as caras no segundo filme da franquia. Porém o que mais me incomodou foram as mudanças a respeito da Brenda e do Jorge, que no livro foram apresentados como espiões do CRUEL imunes ao Fulgor. E, nesse ponto, eu gostei muito mais da maneira como os personagens foram desenvolvidos na adaptação.

3) O que achou da escolha dos atores?
Não tenho muito a acrescentar sobre os atores. Já os conhecemos desde o primeiro filme da franquia e eram neles que eu pensava quando lia o nome de algum personagem no livro. Mas vale destacar a atuação da Kaya Scodelario na pele de Teresa e da Rosa Salazar interpretando a Brenda, que foram excelentes.


4) E o final?
O final convergiu para o mesmo resultado, mas a forma como as coisas aconteceram foram um tanto diferentes nas duas obras, e, como disse antes achei que a forma como as coisas aconteceram no filme foram muito mais críveis do que o apresentado pelo livro. 

5)Trailer:

logoblog