Livros *----* A Máscara do Rei

A Máscara do Rei #1. Autora: Francine Cândido. Páginas: 227. Editora: Arwen. Francine Cândido é parceira do blog e "A Máscara do Rei" é o primeiro livro dela que eu tenho oportunidade de ler. Havia participado das primeiras impressões e estava ansiosa para concluir a leitura.

O reino de Gan é composto por muitos povos, os darastrianos chegaram no poder após derrotarem os Vulthams, mas esse povo ainda existe e anseia retomar a cidade de Darastrix. Acredita-se que a cidade era habitada no passado por um povo chamado Celeste, filhos do Criador. A cidade transbordava paz e equilibro, mas os homens se deixaram levar pela ganância e se afastam a cada dia mais dos planos divinos, se aproximando do caos.

"A guerra mata até mesmo aqueles que não vão para o campo de batalha."

A guerra é iminente, os Vultham desejam reaver a cidade Celeste e mesmo que uma guerra não seja o desejo do seu rei, Auran, essa é a vontade do povo e ele não poderá se opor. Mas, Auran logo identifica um traidor no seu meio, alguém fez um pacto com os Hazans, uma raça maligna que produz ferro negro, um metal banhado no lago negro com um terrível poder de destruição. O problema é que os Hazans não dão nada de graça e ele precisará descobrir quem foi o traidor e qual foi o pacto ou seu reino poderá estar em maus lençóis.

"Homens que não possuem fé não conseguem manter a esperança por muito tempo."

Eldon é o jovem príncipe de Gan, e desde que sua mãe morreu, seu pai se tornou um homem frio e egocêntrico, ele se culpa pela morte da mulher que tanto amava. Seus filhos, Leah e Eldon, sentem falta da mãe e do pai, que está cada dia mais um distante, muito ocupado com os assuntos do reino para ter algum tempo com a família. A verdade é que o rei Svern nunca foi um bom marido e agora não tem sido um bom pai e muito menos um bom rei.

"— Um rei deve governar um reino da mesma forma que manipula sua arma! Se não souber um também não saberá o outro. Um inútil! É a palavra certa. Odeio inúteis.-cuspiu- Tem inúteis demais no mundo. É sempre preciso ser melhor que o rei anterior, Eldon."

Ao saber do ferro negro, Svern, o rei de Gan, pede ajuda ao Athers, os templários da igreja e todos marcham para uma guerra sangrenta. Mas, essa guerra se revela apenas uma batalha pelo domínio de Gan. A profecia diz que Eldon será rei em breve e que terá um reino curto e prospero. Mas muitos desafios o esperam. Pois, não é so entre os Vulthams que existem traidores à espreita com olhos gananciosos voltados para a coroa real. Eldon possui uma sabedoria e maturidade tremenda mesmo sendo tão jovem, é muito diferente do pai e certamente será um rei extraordinário.

"-[...]Você não é mais uma criança tola, deve saber que por vezes é preciso matar para poder viver.[...] Na próxima vez que ver um inimigo, não seja um covarde."

Há ainda outros personagens chaves, como Sarene, padre Mayer e  Baern Falkrunn. Sarene é mulher do rei, com quem ele se casou após a morte de Cassandra, mãe de Eldon. Ela é uma verdadeira cobra, parece doce e bela para quem a observa, mas os tolos que caem em seus encantos se tornam verdadeiros fantoches em suas mãos. Uma mulher dissimulada, cínica e egoísta, que quer destruir todos ao seu redor e não poupará esforços para conseguir o que deseja. O padre Mayer é o último homem decente de Darastrix, uma pena que tenha se entregado ao celibato rs, é o tutor de Eldon e quem o ensina tudo sobre caráter, história e moral. Já Baern é amigo pessoal do rei e padrinho de Eldon, mas... digamos que ele não é um amigo muito fiel. Ele comete o pior dos pecados, engana a si mesmo ao procurar justificativas para os seus erros.

"-Não devemos ter dúvidas de Deus, já que ele está além do que nós somos capazes de ser. Humanos são contentáveis, pois sua essência é mutável. Quando crianças, queremos aprender. Quando jovens, queremos explorar.- Passou os dedos pelo peito do irmão.- Quando adultos, queremos poder e, quando idodos, só não queremos morrer."

Já tinha um tempo que havia lido um livro com temática medieval e fiquei me perguntando porque deixei isso acontecer. Como pude ficar tanto tempo distante desses conflitos lendários com espadas em punho, traições, e cenários épicos?! O livro é narrado em terceira pessoa, mas os capítulos são focados em personagens da trama. A escrita da Francine é maravilhosa, fiquei extremamente curiosa durante o desenrolar do livro que cumpre exatamente o que promete. Francine não esconde os erros ou desvios de caráter de seus personagens, pelo contrário, temos homens e mulheres definitivamente humanos, com seus erros e defeitos. A leitura fluiu rapidamente e já estou ansiosa pela sequência, que promete trazer mais guerras e muitas surpresas.

Leia também:
Li até a página... A Máscara do Rei
logoblog