Semana de Divulgação #4 A Verdadeira Morte


Boa tarde, people, o que estão achando da semana de divulgação? Hoje iremos conhecer mais três contos da antologia. Espero que gostem.

A Última Homenagem
"Louco: algo que todos nós somos, mas que poucos de nós admitimos ser. Nossa loucura pode estar em nossa risada, no nosso falar, nosso andar, nossa maneira de se vestir, ou em nosso modo de enxergar o mundo. "

Nesse conto vemos uma homenagem doce e singela de uma jovem que acaba de perder a mãe. Mas, apesar da tristeza que sente pela perda, relembra dos momentos felizes e amaveis que dividiram. Eu achei bastante curioso que em alguns contos nós não chegamos a saber o nome do protagonista e esse é um deles. Mas, mesmo assim, o autor conseguiu nos passar seus sentimentos com muita profundidade, bem como nos fazer simpatizar com eles.

"Se o amor me machuca, a música me cura. Se as lembranças conseguem me confortar como um travesseiro, elas também podem perfurar a minha carne como a ponta de uma faca bem amolada. "

Orgulho e Paciência
"E se a confiança pode lançar uma amizade, o orgulho com certeza pode acabar com ela."

De uns tempos pra cá, Valéria tem estado cada dia mais irritadiça, ela se tornou uma pessoa impaciente e reclamona e a sua melhor amiga já está ficando de saco cheio por ter que aturar tudo isso. Até porque, em geral é ela que paga o pato, se discordar de algo que a amiga diz então... pronto, acabou o mundo. Então, a sua amiga começa a refletir se realmente vale a pena investir tanto tempo e energia nessa amizade. Ela ama muito a Valéria, mas tudo indica que o relacionamento delas está prestes a desmoronar. Mas também.... essa garota é chata demais!

"O ditado diz que o pior cego é aquele que não quer ver, e eu tenho total ciência disso, mas e quanto aquele que vê, mas não consegue se conformar com aquilo que está na sua frente? O que ele deve fazer? Aceitar os fatos e finalmente aceitar que não há mais nada a fazer? Ou fingir que ainda há esperança quando até mesmo ela já morreu? Eis a questão..."

Gasolina
Kelly tem uma filha de cinco anos chamada Alice, fruto do seu relacionamento com Matheus, seu ex-marido. Mas desde o início da semana a menina tem dado inúmeras desculpas para não ir à creche. Sua mãe até chegou a levá-la ao médico apesar de suspeitar que as dores não eram reais e estava tudo ok com Alice. Até que, ela conseguiu descobrir que haviam alguns meninos implicando com a sua filha na creche.

"Tentamos criar um filho para que ele seja bom com o mundo, que seja sábio o suficiente para agir com o coração e com a razão ao mesmo tempo, mas pessoas assim só fazem nosso trabalho ser ainda mais difícil."

Então Kelly conversou com Alice e com as professoras da creche e tudo parece ter ficado bem: os meninos não pertubaram Alice e ela ainda fez uma nova amiguinha. Até que, ao acordar na manhã seguinte ela não encontra a sua filha em lugar algum. Logo, percebe um janela quebrada e um bilhete no chão, Alice fora seqüestrada.

"Quando temos filhos, eles se tornam a razão de nosso viver, e quando eles seguem bem com suas vidas, dizem que sentimos aquela tristeza misturada com a sensação de dever cumprido, pois no final, não criamos filhos para nós, e sim para o mundo. "

Esse conto tem muita tensão e me deixou muito apreensiva. O objetivo do autor não era explicar todos os pormenores da história, mas mostrar os sentimentos de Kelly e Matheus nessa situação, o que ele fez muito bem. Imagine quantos sentimentos se passavam na mente e no coração dos pais. Mas, confesso que fiquei um pouco incomodada por ele não ter explicado exatamente o que aconteceu.  Enfim, se o Rennan decidir escrever um trilher psicológico eu vou querer ler, porque olha... tem talento rs.

Leia também:
logoblog