Cheiro de livro novo: Insurgente

Título: Insurgente
Autora: Veronica Roth
Páginas: 509
Editora: Rocco
Série: Divergente
Anterior: Divergente
Próximo: Convergente

Comprei esse livro na faculdade, na esperança de conseguir terminar de ler antes do filme sair de cartaz. Infelizmente, não rolou, mas não tem problema, posso assistir em casa mesmo. xD
Divergente terminou me deixando super curiosa a respeito de várias coisas e foi um livro do qual gostei muito. Devorei o primeiro e fui com a mesma animação começar a ler Insurgente. Mas ele não me cativou tanto quanto o outro, e isso me deixou um pouquinho frustrada... Achei a narrativa bem mais lenta e as coisas realmente interessantes ficaram só para o finalzinho. Apesar disso, a história continua boa.

O livro começa bem no momento em que o anterior terminou. Tris, Tobias, Caleb, Marcus e Peter estão no trem rumo à sede da Amizade. Tris está muito abalada devido a tudo o que aconteceu, e está sentindo-se culpada pelas mortes de seus pais e de seu amigo Will. Ela não estava preparada para uma guerra, mas sabe que eles não poderão ficar escondidos por muito tempo.


"A tristeza não é tão pesada quanto a culpa, mas rouba mais de nós."

A sociedade de facções está ruindo. A Abnegação está praticamente destruída; a Audácia está dividida entre quem apoia e quem é contra os ideais da Erudição; a Erudição está organizada para controlar a população, mas nem todos estão decididos a seguir os planos de Jeanine; a Amizade deseja se manter imparcial, mesmo sabendo que isso não será possível; e a Franqueza tem medo do que a Erudição é capaz e não quer escolher quem apoiar.


"— Insurgente. Substantivo. Uma pessoa que age em oposição à autoridade estabelecida, mas que não é necessariamente considerada agressiva."

Tris acredita que depende dela a resolução dessa situação. Ela não pode permitir que Jeanine continue a controlar e matar quem bem entender e sabe que não adianta ficar esperando outras pessoas tomarem a iniciativa. Ela descobre que Jeanine tem um motivo para estar fazendo tudo isso e que ela esconde esse segredo. Tris acredita que o revelando, tudo se resolverá, mas primeiro ela precisa descobri-lo.


"Descobri que as pessoas são compostas de camadas e mais camadas de segredos. Você pode achar que as conhece, que as entende, mas seus motivos estão sempre ocultos, enterrados em seus próprios corações. Você nunca as conhecerá de verdade, mas às vezes decide confiar nelas."


Infelizmente, ela não conta com o apoio de Quatro. O relacionamento deles está muito instável, pois Tris está traumatizada, fazendo com que ela omita certas coisas para ele e aja de forma estranha, às vezes distante e despreocupada com sua própria vida. Ele também está em um processo de mudança, ainda mais tendo que conviver com o pai. Sem saber direito como agir, acaba escondendo muitas coisas dela, o que só a irrita mais.

"Tento imaginar o que as outras pessoas pensam de mim. Eles devem ver alguém que não vejo. Alguém competente e forte. Alguém que não posso ser; alguém que posso ser."


Sem poder contar com o auxílio de nenhuma facção, eles acabam encontrando aliados improváveis: os sem-facção. Mentiras e segredos são revelados, alianças e amizades são feitas e rompidas, e é difícil saber em quem confiar. Se Tris deseja seguir seus instintos, ela precisa agir por conta própria. Então ela precisa aprender a controlar suas emoções, conviver com sua dor e ser muito forte e corajosa, em meio a tanto sofrimento e caos.


"Eles não são caracterizados por uma única virtude. Assumem todas as cores, todas as atividades, todas as virtudes e todas as falhas. Não sei o que os une. A única coisa em comum entre eles, que eu saiba, é o fracasso. Mas, seja lá o que for, parece o bastante."

Como eu disse, não achei esse livro tão envolvente quanto o anterior, não o li tão desesperadamente. Mas teve muita história, muitos acontecimentos surpreendentes, muita ação e muitas descobertas. 
Tris está bastante diferente. Em Divergente, notei um amadurecimento rápido da personagem, por causa do que ela teve que passar, se tornando muito corajosa, forte e ousada. Nesse livro ela está muito traumatizada, e essas características parecem que ficaram em suspensão em vários momentos. Ela  não age mais como antes e isso me deixou um pouco irritada algumas vezes. Claro que eu entendo seus motivos, mas ela acaba fazendo coisas bem idiotas.
Tobias também me irritou bastante dessa vez. Eu estava achando que eles finalmente tinham se resolvido e que agora o namoro deles ia engrenar, e aí ele vem e começa a esconder várias coisas da Tris, além de não entender o lado dela e ficar exigindo que ela o compreenda. Ele até compensa isso sendo muito fofo às vezes, mas esperava algumas atitudes diferentes dele.
Nesse livro, os divergentes passam a ter um papel importante. Foi bem legal entender porque eles são tão especiais e o que os torna diferentes. Foi bom ver a diferença deles em ação, de forma muito mais expressiva do que ocorreu em Divergente. É interessante saber melhor qual o motivo da existência deles, apesar de algumas coisas ainda ficarem um pouco vagas.
Fiquei feliz por finalmente ter a oportunidade de conhecer mais as outras facções. A Amizade é incrível e meu amor por essa facção só aumentou. Ainda acho que ela é a melhor! <3 A Franqueza até que é mais legal do que eu imaginava, mas também é meio estranha. A Erudição é um pouco assustadora, mas assim como as outras facções, tem pessoas legais e pessoas ruins.
Também fiquei satisfeita com várias descobertas. O final me surpreendeu bastante, não imaginava que o segredo era aquilo. Gostei de descobrir o que tem do lado de fora da cerca e finalmente ter respostas para algumas coisas que ficaram me intrigando no primeiro livro. Mas ainda tem muitas questões que precisam ser explicadas e estou muito curiosa para ler Convergente. *-*
E vocês, já leram? O que acharam? Compartilhem suas opiniões comigo! :D



Resenha de Divergente aqui.
Resenha da Isabela aqui.
logoblog