Pare e Pense #1 Starters

O objetivo dessa coluna é conversar um pouco mais sobre as problemáticas abordadas em livros, porque acredito que os autores não as colocam lá apenas para dar movimento ou ação às suas histórias, mas para nos fazerem refletir e talvez até agir de alguma forma. Queria instigá-los a pensar, mas sem nos prendermos apenas aos problemas. Quero que possa ser mais do que isso, desafiá-los a pensar em possíveis soluções. Se quiser copiar dê os créditos. =P


Para estrear a coluna, trouxe livro Starters. Quem leu a minha resenha (leia aqui) sabe que eu gostei muito do livro. E, acredito que por esse livro ser uma distopia, tem naturalmente uma característica mais critica. Durante a leitura, eu pude encontrar com várias, como: 

>> A busca pelo corpo perfeito, que levou jovens com avós e uma vida estável financeiramente a procurarem o "Banco de Corpos";
"Alguns garotos ricos e mimados mentiam para o banco de corpos, usando sobrenomes falsos para que pudessem fingir ser órfãos pobres. Não queriam o dinheiro. Queriam as cirurgias plásticas gratuitas que seus avós não lhes permitiriam fazer. E nunca mais voltavam para casa."

Essa busca desenfreada pelos padrões de beleza existe hoje em dia e geralmente são os jovens quem mais sofrem com isso. Consequência disso, são as cirurgias plásticas excessivas, que levam diversas pessoas a óbito. Muitas pessoas que não se sentem bem com seus próprios corpos, mas as vezes isso pode se tornar obsessivo e refletir em diversas outra áreas de nossas vidas. O maior agravante dessas questões são a baixa auto estima e o bulling. Se você acredita que precisa perder ou ganhar peso, a melhor opção é melhorar sua alimentação e fazer exercícios físicos, procure uma nutricionista ela pode te indicar a melhor forma de melhorar. O tratamento as vezes pode reunir psicólogos e médicos, mas não se envergonhe por isso, se preocupe com a sua saúde em primeiro lugar. ;)

>>O fato de pessoas aceitarem alugar o corpo de outros para ser jovem de novo, em detrimento de outras pessoas;
"— Madison, escute o que você está dizendo. Não é como escolher um vestido, um carro ou uma casa nova. São pessoas. Adolescentes que vivem e respiram e que têm uma vida inteira pela frente. A menos que você roube isso deles."

Esse problema pode parecer bem esquisito, para ser comparado a nossa realidade. Afinal, não existe um Banco de Corpos de adolescentes na vida real. Será que não?! Quando li isso, percebi que essa poderia muito bem ser uma crítica à exploração infantil ou até mesmo a prostituição. Pessoas que pagam para ter prazer, em detrimento de crianças, adolescentes ou adultos. O modo banal como corpo humano é tratado como um objeto a ser usado e comercializado por algumas pessoas hoje em dia é algo tremendamente assustador, mas que infelizmente acontece.

>>E, o ponto que mais chamou minha atenção, a situação dos abrigos para órfãos, o modo como eles eram tratados lá e a realidade das crianças que conseguiam fugir e viviam nas ruas.
"— A vida na instituição é tão dura assim? — perguntou Lauren.
— Não — eu disse. — É bem pior.
Olhei para eles. Não havia como explicar tudo agora.
— É mais ou menos assim: prefiro morrer a ter que voltar para lá".

"Viver nas ruas durante o último ano significava que eu estava sempre com fome. Mas uma das coisas de que eu mais sentia falta era comida quente".

Eu não tenho muito conhecimento a respeito das condições dos nossos orfanatos, abrigos e reformatórios, quando eu era mais nova costumava ouvir algumas histórias bem feias, mas hoje não é mais tão comum. Acho que a situação mais próxima de nós, são as pessoas que vivem nas ruas, muitas delas, dependentes químicas. Esse é um problema complicado de resolver, acredito que cada caso deva ser tratado diferenciadamente. Mas uma situação que precisa receber algum tipo de intervenção, deixar essas pessoas à margem da sociedade, muitas sem nem serem consideradas como cidadãos não é uma opção. Alguns irão precisar de tratamento médico e psicológico, outros de emprego, outros de passagens para voltarem para suas casas, outros de casas, mas com certeza todos eles precisam de um olhar de amor.

 O que acham sobre esses problemas? Já viram alguma dessas situações de perto, como alguém que conhecem? Acham que eles tem solução? Deem ideias.. ;)