Cheiro de livro novo: Um Amor para Recordar

Título: Um Amor para Recordar
Autor: Nicholas Sparks
Páginas: 184
Editora: Novo Conceito

Olá gente! Desculpem minha ausência aqui no blog, mas tá difícil de arrumar um tempinho... Minha faculdade está me consumindo, provas, provas e trabalhos. Nem para ler estou tendo tempo direito, tanto que demorei um tempão para ler esse livro que é relativamente pequeno.
Enfim, esse foi o segundo livro do Nicholas Sparks que eu li, e já estou captando o estilo dele. rs Eu já tinha ouvido muito falar sobre essa história, mas só peguei emprestado com Isabela agora (e também nunca assisti ao filme x.x). Apesar de também ser uma história com o fim triste (e de já sabermos disso logo no início do livro), gostei mais desse do que de Querido John.

Vamos aos personagens: Quem nos conta a história é Landon Carter. Atualmente, ele tem 57 anos, mas retorna aos seus 17 anos, em 1959, quando estava no final do ensino médio, para nos contar como a sua vida foi completamente modificada. Foi uma época meio diferente, mas o autor não focou muito nisso. Muitas vezes eu até esquecia que eles não viviam no mesmo tempo que eu. rs Ele vive em Beaufort, uma pequena cidade da Carolina do Norte. Seu pai é congressista, portanto fica longe de casa a maior parte do ano, o que faz com que a relação deles seja muito distante, mas com que ele tenha uma convivência boa com a mãe. Sua família é rica e ele é um tipo de bad boy para a época (não que ele fizesse besteiras ou coisas graves, mas antigamente as coisas eram meio diferentes né rs).
Jamie é uma garota muito diferente. Filha do pastor com quem Landon sempre implicou, não é alguém que se destaca pela aparência. Sempre se veste da mesma maneira, com uma saia comprida e um blusão, o cabelo preso em um coque e a Bíblia na mão. É uma pessoa muito boa, que ajuda qualquer um que precisar por nada em troca. Mas ela possui um segredo, que Landon só descobre quando já é tarde demais.

"A vida, eu aprendi, nunca é justa. Deveriam ensinar isso nas escolas."

Em uma cidade pequena, todos estudam na mesma escola. Landon e Jamie sempre estudaram juntos, mas ele e seus amigos nunca se interessaram em interagir com ela. Afinal ela era uma garota muito esquisita. Landon só se aproxima dela pela primeira vez por interesse, pois não tinha companhia para ir ao baile em homenagem aos ex-alunos (e o que todos pensariam se ele fosse sozinho ao baile? =O). É aí que ele começa a descobrir a garota incrível que se esconde por trás da Bíblia. Então começa a surgir uma espécie de amizade entre eles, por mais que Landon tente negar.

"Mesmo depois de eu tê-la maltratado e dito as coisas mais odiosas, ela conseguiu arrumar uma razão para me agradecer. Ela era aquele tipo de pessoa, e acho que era por isso que eu a detestava tanto.
Ou, para falar a verdade, eu acho que detestava a mim mesmo."

Achei a história bem bonita. Algumas vezes Landon me deixou realmente irritada, pois ele podia ser bastante idiota quando queria. Mas com o tempo ele foi crescendo e amadurecendo muito. Graças a Jamie, ele descobriu um novo mundo, descobriu que era bom ajudar as pessoas e foi se tornando um adulto melhor. O romance deles foi bem leve, mas muito fofo. Um relacionamento bem diferente com um final triste mas ao mesmo tempo perfeito. Digamos que foi bom e ruim. rs

"Naquele ano, Jamie me ajudou a me tornar o homem que sou hoje. Com sua mão firme, ela me mostrou o quanto é importante ajudar os outros; com a sua paciência e bondade, ela me mostrou qual é o real sentido da vida. A sua alegria e o seu otimismo, foram as coisas mais espantosas que já presenciei...
Jamie também me ensinou o valor do perdão e o seu poder de transformar as coisas... Jamie não guardava rancores. Jamie vivia de acordo com os ensinamentos da Bíblia."

Gostei bastante da história e agora quero ver o filme, para saber se eles mudaram muito as coisas. Esse é um daqueles livros que valem a pena serem lidos, que te fazem pensar sobre o por quê das coisas acontecerem da forma que acontecem. Nos faz pensar no quanto podemos nos tornar pessoas melhores. Bem, foi isso que concluí do livro. Alguém concorda?


logoblog