Cheiro de livro novo: O Pulo da Gata

Título: O Pulo da Gata
Autora: Fernanda França
Páginas: 288
Editora: Essência (Planeta)
Avaliação: 5/5
Skoob

Comprei esse livro na Bienal do ano passado porque achei a sinopse super interessante e a capa linda. Como ele provavelmente ficaria rolando um bom tempo na minha estante e eu estava curiosa, decidi escolhê-lo para o desafio "o último livro que você comprou" na nossa Maratona Literária de fevereiro. Ele foi o primeiro livro que decidi ler, pois é curtinho e de leitura fácil, o que foi bom, pois na época eu estava estudando para a prova de residência e não podia me dedicar inteiramente à maratona. E descobri que foi uma ótima aquisição!

"— Sem a lua, conseguimos ver melhor os outros planetas e as estrelas. A lua deixa o céu com muita luz. Acho que a vida é assim, Maggie. Quando alguma coisa não vai bem, conseguimos ver as outras um pouco melhor. Nem sempre a ausência é um fator negativo. Podemos aprender quando estamos na escuridão."


Maggie May tem 23 anos e é médica veterinária. Ela é jovem, independente, mora sozinha na casa antiga de seu avô, tem sua própria clínica veterinária, tem uma família grande (com um pai, duas mães e cinco irmãs) e amorosa, e melhores amigas que estão ao seu lado desde a época da escola. Apesar disso, ela não está totalmente satisfeita com sua vida, apenas porque ainda não conseguiu realizar seu maior sonho: se casar com tudo o que tem direito. Ela ainda é muito jovem, mas acha que já deveria estar casada e que sua vida só vai começar de verdade quando isso acontecer. Então está disposta a tudo para achar o cara adequado para o papel de noivo perfeito.

"— Você não deveria ter medo de ficar sozinha, Maggie. Estaremos sempre rodeados de pessoas, se quisermos. Mas ter gente por perto não é, necessariamente, sinal de que estamos rodeados de amor. Pode ser que sim, pode ser que não. O meu medo, e eu vou te contar, é de não ter uma única pessoa que goste de mim ao meu lado. De ficar sozinho, mas não sem gente por perto, sem amor."

É assim que ela conhece o Gato Gatuno, ou melhor, Felipe. Eles conversaram por um desses sites de relacionamentos, descobriram ter muitas coisas em comum e decidiram marcar um encontro. Enquanto espera por Felipe, Meg acaba conhecendo Eric, que é comediante no barzinho onde ela está. A conversa entre eles flui naturalmente e eles encontram coisas em comum rapidamente, mas tudo em que ela consegue pensar é na demora de Felipe em aparecer.

"O amor não é um eclipse solar, quando a lua oculta o sol. Você descobre que ama alguém de verdade quando deseja que estejam no mesmo céu, ainda que por poucos minutos, só para ver a luz do outro brilhar."


Depois de diversos imprevistos, ela e Felipe finalmente se encontram e começam um relacionamento um tanto afobado, principalmente para duas pessoas que se conheceram na internet. Mesmo assim, Mag está certa de que ele é o homem da sua vida e que é com ele que irá casar-se e ser feliz para sempre. Apesar de suas amigas não aprovarem essa relação e de seu pai não estar confiante de que ela encontrou o homem certo dessa vez, ela se joga de cabeça e se entrega completamente ao "amor". Enquanto isso, Eric está cada vez mais próximo e atencioso, mas cega com seus sonhos e planos malucos, Maggie May não consegue enxergar nada além de um casamento perfeito acontecendo muito em breve.

"O que faltava em Maggie, mas ela não desconfiava, era descobrir que a felicidade era um estado que dependia muito mais dela do que de outra pessoa. Ser feliz é um pacote amplo, que pode incluir as escolhas da vida, a liberdade, a saúde e a disposição para realizar tarefas que dão prazer, mesmo rotineiras, o discernimento para tomar decisões, a autonomia para ir e vir e a capacidade de enxergar beleza mesmo quando muitas dessas alegrias não são possíveis. Se o corpo não permite que realizemos muitas coisas, sabemos que a cabeça, às vezes, faz isso. Felicidade não depende de dinheiro, de status, de onde se mora. Podemos ser influenciados por isso tudo, mas não é o que define a felicidade."

Maggie May é uma personagem com quem me identifiquei logo de cara. Eu ainda estava com 23 anos quando comprei o livro; era recém-formada em medicina veterinária, o que sempre foi meu sonho; e, além disso, outro grande sonho que eu tenho é me casar. No entanto, nem de longe eu sou louca e desesperada como ela, e depois de um tempo de leitura, eu comecei a discordar de praticamente tudo que ela fazia, o que chegou a ficar um pouco irritante. Mas o que seria de uma comédia romântica sem uma protagonista que faz besteira? Apesar de ser impulsiva e insegura, ela é divertida e foi bom acompanhar sua história. Eric é aquele cara perfeito que parece cair do céu, mas que ela não enxerga como mais do que um amigo. Ele é engraçado, é prestativo, atencioso e gato. Já Felipe é um homem que guarda muitos segredos, e é difícil saber o que ele realmente sente e deseja. As amigas de Meg, Luiza e Vida, são maravilhosas. Elas conhecem muito bem a amiga que têm, e tentam abrir os olhos dela para suas atitudes loucas, mas sem magoa-la. A família dela pode ter muitos defeitos, principalmente seu pai, mas eles estão sempre por perto a amparando em tudo.

"— Porque, muitas vezes, não paramos para pensar em quem somos e do que gostamos realmente. Geralmente acabamos aceitando gostos que nos impõem, só para sermos aceitos, queridos, amados."

O enredo tem tudo que faz uma boa comédia romântica, incluindo alguns grandes choques para a protagonista, que provocam certos momentos bem dramáticos durante a leitura. Tem um leve triângulo amoroso, que existe mais na cabeça do leitor do que na história de fato. E tem muitas partes engraçadas, obviamente.


Detalhes do livro

Eu nunca tinha lido nada da Fernanda França, mas gostei bastante desse livro, o que me deixou curiosa para conhecer alguma das suas outras obras. Eu achei sua narrativa um pouco esquisita, porque é em terceira pessoa e não tem um ponto de vista específico. Apesar de estarmos acompanhando as aventuras de Maggie May na maior parte do tempo, a gente fica tendo vislumbres do que se passa na cabeça dos outros personagens também, já que o narrador é daquele tipo que conversa com o leitor, mesmo sem participar de fato da história, e isso me confundia um pouco. Mas logo me acostumei e a leitura fluiu super bem. É um livro muito leve, rápido, gostoso de ler, que me rendeu ótimas horas de distração.

"Alguém pode ser feliz sem amar? A vida é feita de amores, Maggie. Se não amamos o que fazemos, nosso trabalho, amigos, a vida, como podemos ser felizes?"

A diagramação está muito bem-feita, o livro é cheio de detalhes fofinhos, como gatinhos no fim dos capítulos, as páginas são amareladas e grossinhas, a fonte ajuda ainda mais no conforto da leitura. A editora caprichou também na revisão, porque eu não encontrei praticamente nenhum erro de digitação no livro inteiro. Então a Essência está de parabéns com o trabalho realizado.

Recomendo muito esse livro para quem curte romances e está em busca de uma leitura leve. A história é bem fofa, surpreendente, emocionante, divertida e tenho certeza que você vai adorar acompanhar as maluquices de Maggie May e conhecer mais uma autora nacional com muito talento.


logoblog