Cinema em casa: Trocando os Pés

Trocando os Pés
Data: de lançamento 28 de maio de 2015
Duração: 1h 42min
Direção: Tom McCarthy
Elenco: Adam Sandler, Steve Buscemi, Dan Stevens
Gêneros: Comédia, Drama, Fantasia
Nacionalidade: EUA


Eu estava procurando um filme mais leve e divertido, sem todo aquele besteirol sobre sexo e afins, no Netflix quando topei com essa produção. Eu lembro de ter ficado um pouco curiosa quando vi o trailer do filme no cinema, mas não foi o suficiente para decidir assisti-lo enquanto estava em cartaz (o ingresso está caro a beça!) Então resolvi que essa seria um boa pedida pro momento.

Max é um homem sem muitas perspectivas de vida, ele herdou a casa e a sapataria do pai que desapareceu, deixando ele e a mãe sozinhos. Ao crescer, acaba se tornando um sapateiro também. Porém, essa é uma profissão que ele exerce sem gosto, mas, ao mesmo tempo, não se mobiliza para procurar se capacitar em algum outro tipo de função que pudesse lhe agradar ou lhe proporcionar uma renda melhor. Ele é um homem amargurado e acomodado, seus dias se resumem a consertar sapatos, cuidar da sua mãe que já está muito idosa e triste e contornar a extrema simpatia (que beira à inconveniência) do seu vizinho barbeiro.


Então, num dia como outro qualquer, ele é levado a utilizar a velha máquina de costura para finalizar uma encomenda após deparar-se com um problema na sua máquina usual. É quando ele descobre que ao calçar os sapatos que foram consertados por aquele maquinário, ele adquire a fisionomia do dono do calçado. Essa descoberta acaba por revolucionar a sua vida, porque Max definitivamente não é um homem satisfeito consigo próprio e então percebe que poderá ser praticamente quem ele quiser, desde que consiga os seus sapatos. Mas, obviamente, isso vai causar muita confusão.

O filme está centrado principalmente no drama familiar de Max, mas também aborda outros temas como a especulação imobiliária. Seus personagens são bastante estereotipados e ele procura trazer um humor leve, apesar de um pouco bobo. Confesso que não sou a maior fã do Adam Sandler, mas ele se saiu bem na pele de Max. O filme serviu com seu propósito de entretenimento, ele não busca seu humor no apelo sexual, como eu estava procurando, mas também não me deixou absolutamente satisfeita. O final em especial, foi bastante bobo e um pouco previsível, até. Indico o filme para aqueles que procuram uma comédia leve e sem grandes pretensões quanto ao desenvolvimento do enredo.

logoblog