Cinema em casa: As Mil Palavras

As Mil Palavras
Data de lançamento: 2012.
Duração: 1h 31min.
Direção: Brian Robbins.
Elenco: Eddie Murphy (Jack McCall), Kerry Washington (Caroline McCall), Allison Janney (Samantha Davis), Cliff Curtis (Dr. Sinja).
Gêneros: Comédia , Drama.
Nacionalidade: Eua.
Não indicado para menores de 10 anos.

Estava querendo ver esse filme há bastante tempo. Gosto desse tipo de filme que é ao mesmo tempo engraçado, bobo e reflexivo. Então, aproveitei as férias e assisti junto com a minha irmã.

Jack McCAll é um homem casado com uma bela mulher, acabou de ter um filho e é muito tagarela, daqueles que possuem lábia e sabem como convencer qualquer um para conseguir o que quer. Essa habilidade costuma ajudá-lo com seu emprego de agente literário, então quando ele descobre um líder religioso que prega o silêncio e a busca interior pela sua verdeira natureza, que tem conquistado inúmeros seguidores ao redor do mundo e, adivinhem só, escreveu um livro, Jack se convence que irá persuadi-lo a publicar seu livro. E, o Dr. Sing acaba aceitando o acordo após Jack se comprometer a espalhar a filosofia do guru "do jeito que ele quis que elas fossem espalhadas."

Imagine a sua surpresa ao encontrar uma árvore em seu quintal, a mesma árvore que havia visto e espetado o dedo no centro do Dr. Sing. Logo, ele percebe que a cada palavra falada, uma folha se desprende dos galhos da árvore, e cada vez que um esquilo sobe em seu caule, ou ela é regada, ele sente as consequências em seu próprio corpo, como se estivesse ligado à árvore de alguma forma. Então, surge a pergunta que não quer calar: o que irá acontecer quando todas as folhas caírem? As árvores morrem após secarem, não é mesmo?!


Depois dessa constatação, Jack começa a procurar alternativas para mudar a sua sorte, inclusive procura o Dr. novamente. Mas, então, tudo começa a desandar, primeiro ele descobre que o livro do Dr Sing possui apenas cinco páginas e, bem, a sua chefe não vai gostar nada disso. Além disso, o seu casamento não está muito bem, a sua esposa tem sentido que as coisas andam um pouco frias entre eles e não está muito satisfeita com o relacionamento. Resumindo, essa definitivamente não é uma boa hora para economizar palavras.

O filme cumpre exatamente o que promete, ele reflete com bom humor, sobre a forma como priorizamos as nossas responsabilidades da vida. Nos mostrando como o que temos de mais importante são as pessoas que nos cercam e que assim como uma árvore, relacionamentos precisam ser regados diariamente para crescerem saudáveis, não se pode economizar palavras, tempo ou amor para cuidar deles. Eu gostei do que assisti e recomendo para aqueles que buscam um filme leve e divertido, mas com alguma mensagem que nos faça pensar. É importante apenas se atentar à classificação indicativa, pois o filme possui uma boa dose de "besteirol", especialmente nas cenas em que o Aaron (Clark Duke) está presente.


logoblog