Livros *----* Refúgio Secreto

O Refúgio Secreto
Refúgio Secreto. Autores: Corrie Ten Boom, John e Elizabeth Sherill. Páginas: 296. Editora: Betânia.

Já fazia um tempo que eu queria ler esse livro, não curto muito biografias, mas quando se trata de uma história da segunda guerra mundial, abro exceções. Além disso, eu já conhecia esses autores, eles também escreveram O Contrabandista de Deus, o livro que conta a historia do missionário André. E, o próprio Irmão André admira muito a Corrie Tem Boom e chegou a conhecê-la. Essa informação está inclusive escrita no prefácio do livro. Então, decidi começar a leitura, pois estava querendo indica-lo no clube do livro.

"Foi assim que aprendi que não é em nosso perdão, nem em nossa justiça própria, que repousa a  sorte do mundo, mas nos do Senhor. Quando ele nos ordena que amemos os nossos inimigos, ele nos dá, juntamente com a ordem, o seu amor"

Cornélia, ou Corrie, como costuma ser chamada já tinha mais de quarenta anos quando começou a segunda grande guerra. Ela e sua família eram holandeses cristãos e num primeiro momento eles acreditaram que a Holanda conseguiria se manter neutra na guerra, assim como foi durante a primeira guerra. Mas isso não foi possível e logo as ruas estavam cheias de soldados alemães.

"- É errado dar esperanças ao povo quando não há esperanças, disse. É errado basear a fé nos próprios desejos."

Porém, o livro não começa aí, na verdade, ele faz uma curta e agradável passagem pela infância e criação de Corrie e seus irmãos antes de chegar nesse momento de grande medo e turbulências internacionais. Corrie e sua família eram conhecidos em toda Haarlem por sua simpatia e generosidade. Além disso, seu pai mantinha uma relojoaria, profissão que Corrie viria a adotar mais tarde. Na sua casa viviam ela, suas duas irmãs, seu irmão, seus pais e suas duas tias solteironas. Eram uma família grande e feliz e mesmo que não vivessem com fartura sempre dividiam o que possuíam com aqueles que precisavam. Assim, Corrie cresceu e aprendeu valiosas lições que vieram a formar seu caráter e personalidade. Essa parte é um pouco mais lenta, mas é onde vamos conhecendo melhor os personagens e nos encantando com eles, em especial com o pai e com a irmã de Corrie, Betsie.

"Agora  eu sei que as lembranças contêm o segredo do futuro; não do passado, mas do futuro. Sei que, quando deixamos  Deus usar nossas experiências passadas, elas se convertem em  instrumentos pelos quais o Senhor nos prepara para o trabalho que ele tem para nós."

Quando a guerra começou foi inevitável não ajudar os judeus que conheciam, simplesmente era algo que eles não podiam negar, não importa se estivessem correndo perigos. A pequena casa no Haarlem se tornou uma espécie de Centro de Operações e pouco tempo se passou até que eles também tivessem hóspedes fixos morando escondidos com eles. Mas em tudo viam a provisão e o cuidado de Deus na sua vida, em cada detalhe. Corrie é uma mulher muito fácil de se identificar, porque é muito humana e o livro não esconde isso. Ele mostra seus erros e acertos, seus pensamentos, sua raiva e sua recusa em perdoar e vemos seu sofrimento e o seu crescimento também. E, se Corrie e sua família aprenderam algo com aquela guerra, eles nos ensinaram muitas coisas mais.

"A verdade, senhor, disse engolindo em seco, é que o ponto de vista de Deus é, às vezes, tão diferente do  nosso, que não poderíamos nem mesmo chegar perto dele, se Deus não nos tivesse dado um Livro no qual ele nos diz tudo."

O que mais me marcou quando realizava a leitura, foi quando Correi falava sobre perdão. Como perdoar homens que matavam e torturavam em campos de concentração? Como amar os alemães que pregavam o ódio e o aplicavam a pessoas indefesas? Se eu que não vivi essa situação, tenho dificuldade em aceitar algo assim, imagine aqueles que sofreram. Na minha visão distorcida parecia até injusto que Deus em sua infinita misericórdia estendesse seu perdão a homens e mulheres que cometeram tamanho pecado. Ainda bem que Deus não é como eu.

"Amor. Como era que se mostrava amor? Como Deus poderia demonstrar, ao mesmo tempo, amor e verdade, em um mundo como este? Morrendo. A resposta me ocorreu  da maneira  mais  vivida  e aterradora possível: a forma de uma cruz marcara a História."

A verdade é que somos rápidos demais ao julgar os outros. É claro que muitas justificativas podem surgir para esse julgamento, mas a justiça de Deus é diferente da nossa. Nós pagamos nessa terra pela consequência dos nossos erros, Deus não tira as consequências do nosso pecado, mas ele nos perdoa por inteiro. E, quando nos encontramos diante do Pai, haverá apenas duas opções, a redenção ou a condenação. Não haverá meio termo, não haverá purgatório ou penas diferentes para um pecado "maior" ou "menor". Somos todos iguais diante d'Ele e quando olhamos para Deus sem ter sobre nós o manto purificador do sangue de Cristo, somos tão sujos quanto aqueles homens que fizeram barbaridades durante a guerra.

Como deveria um crente agir, quando o mal domina?"

Termino essa resenha com um versículo que fala muito ao meu coração: "Então conheçamos, e prossigamos em conhecer ao Senhor; a sua saída, como a alva, é certa; e ele a nós virá como a chuva, como chuva serôdia que rega a terra." (Oséias 6:3). Cada vez que aprendo mais sobre a palavra de Deus, mais certeza eu tenho de que preciso crescer e aprender ainda mais e esse desejo arde no meu coração. Que vocês também tenham essa chama ardente dentro de vocês. ❤

"A felicidade não depende do lugar onde nos encontramos, Corrie. É uma disposição que existe dentro de nós."