Desabafo da Editora Selo Jovem sobre a Bienal do Livro

Com a aproximação da Bienal do Livro de São Paulo que irá acontecer entre os dias 26 de agosto e 4 de setembro de 2016, muitos autores e editoras tem divulgado os dias e horários em que irão comparecer ao evento. E, como a editora Selo Jovem ainda não havia realizado nenhum tipo de manifestação com relação a isso, começou a receber mensagens dos seus fãs e seguidores. Então, na semana passada a editora postou em sua rede social um desabafo sobre o evento.

Sobre Bienal do Livro Sp.

Queridos, muitos leitores estão nos enviando e-mails e mensagens com interesse em saber se teremos stand na bienal de SP, ou se temos vagas para autores independentes. Infelizmente, não teremos stands própria, no entanto alguns de nossos autores estarão na feira. Em breve divulgaremos aqui horários e quais autores estarão no evento.

A nossa não participação, se dá por alguns motivos, o primeiro é que estamos investindo em nossa gráfica própria nesses últimos dois anos, achamos que preço + facilidade de produção + envio imediato ao leitor e livrarias parceiras é a prioridade nesse momento de crise nacional, a editora já tem um investimento que ultrapassa 200 mil reais de equipamentos gráficos, estamos equipados com máquinas gráficas de ponta, ex da Oki c941dn.

O segundo motivo é que não gostamos de vender os “pacotes editoriais”, a selo jovem não gosta de cobrar de autores para publicar, não achamos correto cobrar 5,000 mil, 10,000 mil, 20,000 mil dos autores e depois sair batendo no peito e falando de profissionalismo, que em muitos casos, não existe!!! A verdade queridos, é que a maioria dos autores sofrem para escrever seus livros, sonham com o momento de verem seu trabalho ganhando forma, e no final acabam frustrados e cheios de dívidas.

Nós vivemos de vender livros, no máximo pedimos para que os autores adquiram alguns livros na publicação, isso “quando pedimos”, nada mais que isso, nada mais que justo! Além disso, a editora dá oportunidade ao autor de ganhar seu dinheiro extra, por exemplo, fornecemos o mesmo desconto que damos às livrarias, 50% no valor de capa, com vendas por boletos e prazos. Na editora selo jovem o autor é amigo e parceiro, não um cliente que paga para ser publicado.

Poderíamos ir a essa bienal como muitas outras editoras, que o fazem nas custas dos autores, pedindo que paguem para a editora estar lá exibindo seu logo, como que fizessem aquele investimento como uma vitrine, mas que no final, foi o autor quem bancou e se endividou para isso. Não, a bienal não é de graça e não, o governo não cede espaço para autor e empresa..., caros leitores, a estand custa de 20,000 a 30,000 mil reais, há vários custos de luz, faxina, taxas… É claro que o espaço é um sonho para muitos autores, e sim, vale a pena ir ao evento mesmo custando esse ABSURDO, mas o momento não é de cometer loucuras.

Nos aguardem em 2017 e fiquem de olho, pois teremos preços fantásticos no mês da Bienal.


Infelizmente, ainda aguardamos o dia em que o governo, de fato, investirá na educação e no crescimento da literatura nacional. O que vocês acham disso tudo? Estarão na Bienal desse ano?