Cheiro de livro novo: A Marca de Atena

Título: A Marca de Atena
Autor: Rick Riordan
Páginas: 469
Editora: Intrínseca
Série: Os Heróis do Olimpo
Anterior: O Filho de Netuno
Próximo: A Casa de Hades

Estou conseguindo cumprir os prazos do Desafio de Livros Grossos! Li meu primeiro livro em cinco dias e já comecei o próximo. Vamos ver se vou continuar bem assim. rs
Comecei o ano lendo O filho de Netuno e estou praticamente fechando o ano com A Marca de Atena. Espero que minhas resenhas tenham melhorado desde que fiz a primeira (o que me dizem?). haha Eu só não sei como consegui demorar tanto para ler esse livro! O filho de Netuno terminou tipo "preciso muito ler o próximo!!" e esse sem dúvidas não deixou a desejar, assim como todos os outros. É bom demaaaais! Eu preciso desesperadamente de A casa de Hades e estou me arrependendo profundamente por não ter comprado logo na Black Friday também! idiota, idiota, idiota! rsrs

O livro é narrado por quatro semideuses, os quatro gregos: Annabeth, Percy, Leo e Piper. A principal dessa história é a Annabeth (acho que já estava na hora de ela ser mesmo a mais importante em alguma missão u.u), mas a participação de todos é essencial para o desfecho da situação, obviamente.
A narração começa exatamente do ponto em que o outro havia parado, a chegada do argo II ao Acampamento Júpiter. Mas como dessa vez os pontos de vista mudaram, nós ficamos por dentro do que está acontecendo no navio e do medo deles de que os romanos os ataquem por considerá-los inimigos invadindo o acampamento. Apesar de terem se organizado bem para mostrarem que são de confiança, não sabem como vão ser recepcionados.

Dessa vez nossos conhecidos heróis estão se preparando para iniciar uma grande missão. Tanto o Acampamento Júpiter quanto o Acampamento Meio-Sangue estão esperando por isso. A Profecia dos Sete já está prestes a se cumprir. Sete meio-sangues devem ir às terras antigas (a Roma original), um local extremamente perigoso, mais perigoso do que qualquer parte dos Estados Unidos, em busca das Portas da Morte, e devem fechá-las, evitando assim que os monstros que eles matem retornem do Tártaro, facilitando muito a vida deles na questão de evitar que Gaia desperte e destrua os deuses. Apenas isso, uma missãozinha básica, super simples, só para ajudá-los numa questão maior que está por vir. E nós já sabemos quem são os escolhidos para essa aventura, né?

"Amor e guerra sempre caminham juntos. São os pontos altos da emoção humana! O mal e o bem, a beleza e a feiura."

Além dessa missão, Annabeth ainda precisa carregar um outro fardo: sua mãe apareceu para ela e a designou para uma outra responsabilidade, encontrar e seguir a Marca de Atena, seja lá o que isso for, para encontrar sabe-se lá o que, e vingá-la sabe-se lá como. Annabeth teve o pior encontro da sua vida com a mãe e não entendeu nada do que precisa fazer. Está morrendo de medo e o pior de tudo é que deve realizar a missão completamente sozinha.

"Mas, como você disse, Annabeth Chase, ninguém teve êxito em seguir a Marca de Atena até seu destino. Lá você enfrentará o seu pior medo... o medo de todos os filhos de Atena. E, mesmo que sobreviva, como usará sua recompensa? Para a guerra ou para a paz?"

Para completar a história, ainda devem procurar por Nico di Angelo, irmão de Hazel, que desapareceu enquanto buscava a localização das Portas da Morte e provavelmente está em grande perigo.

Dá para perceber que a Profecia dos Sete está apenas no comecinho mesmo, porque eles ainda precisam passar por muita coisa para prosseguir viagem. Como sempre, eles tem um prazo curto para cumprir, e aparecem mil coisas no caminho para atrapalhá-los. Diversos monstros para lutar, deuses confundindo suas mentes (não sei se eles ajudam ou atrapalham mais rsrs), um longo caminho pela frente e muitos problemas para resolver. Eu já estava até ficando irritada com o livro. Por que eles nunca podem fazer as coisas com calma? Por que sempre aparecem tantas dificuldades no caminho? Coitados, são tão novos e já tem a responsabilidade de salvar o mundo, e ainda tem que ficar aturando um monte de confusão se entrometendo na vida deles! Dá um tempo, né, Rick? hahaha me revoltei Mas faz parte...

"Muitas das melhores armadilhas são simples - disse Annabeth. - Você só precisa pensar e torcer para que sua vítima não pense na solução."

Pelo menos Annabeth e Percy se re-encontraram e isso a deixou feliz. Depois de tantos meses sem se verem... Achei muito fofinho os dois juntos. O casal mais esperado de Percy Jackson e os Olimpianos, que nós nem pudemos acompanhar, porque só começam a namorar no fim da série, e depois começam essa separados. Coitados, tão precisando de um tempo para eles também. haha
Achei legal também a interação entre Percy e Jason. Como os dois são líderes natos, os mais poderosos do grupo, precisam aprender aos poucos a dividir a responsabilidade e descobrir que juntos são mais fortes do que separados.
Foi bom relembrar os outros personagens, pois li O herói perdido há tanto tempo que nem lembrava mais como eles eram. Piper é tão diferente do que eu esperava de uma filha de Afrodite, e apesar de parecer não fazer muita diferença num grupo tão cheio de semi-deuses com capacidades incríveis, ela é mais poderosa do que parece e também é importante. Leo é tão divertido, tinha esquecido disso, não sei como! Além de ser muito habilidoso.
Ainda há Frank e Hazel, os romanos, que num primeiro momento não se sentem muito à vontade no meio dos gregos. Além de terem uma cisma estranha com Leo. Mas todos devem estar unidos para que tenham êxito nessa missão, e aos poucos eles vão interagindo e se conhecendo, tornando-se uma verdadeira família.

A história é incrível, muito bem entrelaçada, e com a leitura tudo vai se encaixando e fazendo sentido, assim como os outros livros do Rick. O final é... sei lá, arrebatador. Já sei o que esperar do próximo, mas ao mesmo tempo não tenho ideia do que vai acontecer. Preciso muito ler! Quem sabe não ganho de Natal? rsrs


Resenha de O filho de Netuno aqui.