Em cartaz: O Candidato Honesto

Lançamento: 2 de outubro de 2014
Duração: 1h50min
Dirigido por: Roberto Santucci
Com: Leandro Hassum, Luiza Valdetaro, Victor Leal
Gênero: Comédia
Nacionalidade: Brasil

Vi esse filme no dia do funcionário público com a família quase toda, só faltou meu pai e meu boy. Sinceramente, eu não escolheria esse filme, mas a minha avó gosta bastante de filmes brasileiros, e, convite de vó não dá pra recusar não é mesmo? 

Bem, geralmente, filme nacional já ficam em desvantagens só de sabermos que é nacional, conheço gente que não vê filme brasileiro de jeito nenhum, mas não gosto de julgar um filme simplesmente assim, tiveram vários filmes brasileiros que vi e gostei, como: Se eu Fosse Você 1 e 2, Tropa de Elite, Meu Passado me Condena, Até que a Sorte nos Separe, etc. Acho que cada roteiro e cada diretor são diferentes do outro e só vendo para podermos julgar, sem preconceitos. ;)

Então, vamos lá. João é um politico, ele entrou na vida política após um acidente em seu ambiente de trabalho (familiar?). Desde então ele foi conquistando o apoio popular até que se tornou candidato à presidência da república. Apesar de carregar o slogan de "João Ernesto, candidato Honesto",  a realidade está beeem longe disso. Mas, no meio de sua campanha política de segundo turno, recebe a noticia de que sua avó, que lhe criou, está no leito de morte. E, ela se mostra extremamente decepcionada ao ver o que o neto se tornou e antes de morrer o "amaldiçoa (?)" para que ele se torne honesto, até que ele consiga enxergar a pessoa que ele se tornou.

Acontece que João está em um momento decisivo da campanha e ainda precisa depor numa CPI, pois há uma suspeita de que ele esteja envolvido em um grande escândalo financeiro. Toda sua vida é uma grande mentira e ele não terá como fugir disso. É como dizem, "a mentira tem perna curta".

Achei a ideia do filme muito bacana e foi estreiado no período exato, acabamos de passar por eleições. Nada melhor do que cutucar o povo para estar atento às suas responsabilidades politicas, que todos temos, de votar de forma consciente e de cobrar nossos governantes. Mas não gostei muito do filme em si, muito palavrão! Tudo bem, que filme brasileiro tem palavrão, mas tinha MUITO palavrão, nunca vi político falar tanto palavrão! E, algumas piadas meio pesadas, sujas, desnecessário. Tiveram algumas coisas que, de fato, foram bastante engraçadas mas outras sairam um tanto quanto forçadas. Acho que isso desagrega valor pra um filme, principalmente quando é algo que quer te fazer pensar, afinal não precisa pensar muito para falar palavrões... acho que humor não precisa ser só sacanagem, a gente pode rir de algo saudável de se ver e ouvir.

Destaco ainda, as várias referencias ao nosso mundo político, não precisa conhecer muito a fundo a política brasileira para lembrar de alguns personagens conhecidos nossos, o que é muito triste. o Mensalão, por exemplo. Também achei muito curioso ver a frieza e o egoísmo dos personagens em seus cargos, muito mais preocupados em esconder suas falcatruas e roubar o máximo de dinheiro que puderem, quando, na verdade, foram colocados lá para governar para o povo. Sei que isso não é nenhum novidade, e penso que a realidade, infelizmente, não deve fugir muito disso, mas eu me senti um pouco roubada também, traída, vendo isso de forma tão descarada. É extremamente lamentável imaginar que isso é mais do que apenas uma ficção que a gente ri e depois vai embora...

Gostei do final, acho que foi bem adequado, não teria sido honesto se fosse diferente. Mas continuo sem confiar no João. rs Algumas pessoas estão apostando em uma sequência daqui a dois anos, nas próximas eleições e acredito que é bem possível que aconteça mesmo. #FicaaDica ;)

logoblog