Cheiro de livro novo: A Culpa é das Estrelas

Título: A Culpa é das Estrelas
Autor: John Green
Páginas: 283
Editora: Intrínseca

Eu sei que Isabela já fez uma resenha desse livro (que você pode ler clicando aqui), mas me respondam uma coisa: como NÃO falar sobre ele? Só digo que ele totalmente faz jus a fama que conseguiu. Preciso confessar que só peguei esse livro para ler devido a febre que ele se tornou... Eu precisava lê-lo antes da estreia do filme para poder ir no cinema com minhas amigas xD Mas adorei. A frase do Markus Zusak na capa "Você vai rir, vai chorar e ainda vai querer mais" é a melhor descrição do livro que poderia ser feita. Ele é engraçado, emocionante, surpreendente, fofo, enfim, tem todas as qualidades para conquistar todo mundo.
Então vamos aos personagens: Hazel tem 16 anos e é uma
paciente terminal com câncer nos pulmões. Seu câncer está estável, o que dá a ela, a seus pais e aos seus médicos, a expectativa de que viverá mais alguns anos. Mas ela sabe que vai morrer e deixa isso bem claro para nós, não adianta termos esperança de uma cura milagrosa. Augustus é um garoto bonito, charmoso e inteligente de 17 anos com profundos olhos azuis, que ela conhece no Grupo de Apoio que sua mãe a obriga a frequentar, pois acha que ela anda deprimida e precisa viver a vida, conhecer gente nova, fazer amizades e tal. Ele teve osteossarcoma e teve que amputar uma perna, mas agora está bem. Foi para o grupo por pedido de seu amigo Isaac, que também é amigo de Hazel.
A atração entre eles é praticamente instantânea e aos poucos vai surgindo um amor muito bonito, mas Hazel tem medo de fazê-lo sofrer quando partir, já que sua morte é inevitável, então tenta não se deixar levar por isso, ser apenas uma amiga, enquanto ele faz de tudo para mostrar que está apaixonado e quer aproveitar o tempo que tem com ela.

"Eu sou tipo. Tipo. Sou tipo uma granada, mãe. Eu sou uma granada e, em algum momento, vou explodir, e gostaria de diminuir a quantidade de vítimas, tá?"

A história gira em torno dessa amizade/romance, dos problemas causados pelo câncer e do livro preferido dela, "Uma Aflição Imperial" (um livro que eu gostaria muito de ler, se fosse real). Tudo com uma boa dose de humor e uma pitada de tristeza.
Algumas coisas eu achei meio estranhas, como a cisma do Augustus com as metáforas, porque ainda não consigo ver sentido nenhum em fumar um cigarro apagado. :P Também os achei muito rápidos em algumas situações e muito devagar em outras. rsrs Mas tudo é compreensível.
O livro é cheio de trechos e frases interessantes, coisas que são para nos fazer pensar. Ele nos mostra como a vida é frágil, como devemos aproveitar os momentos, aproveitar enquanto estamos aqui, saudáveis, e podemos fazer o que temos vontade. De uma hora para a outra tudo pode mudar, nunca sabemos como será o dia de amanhã, se estaremos vivos para realizarmos o que estamos adiando.

"Vai chegar um dia - eu disse - em que todos vamos estar mortos. Todos nós. Vai chegar um dia em que não vai sobrar nenhum ser humano sequer para lembrar que alguém já existiu ou que nossa espécie fez qualquer coisa nesse mundo. Não vai sobrar ninguém para se lembrar de Aristóteles ou de Cleópatra, quanto mais de você. Tudo o que fizemos, construímos, escrevemos, pensamos e descobrimos vai ser esquecido e tudo isso aqui - fiz um gesto abrangente - vai ter sido inútil. Pode ser que esse dia chegue logo e pode ser que demore milhões de anos, mas, mesmo que o mundo sobreviva a uma explosão do Sol, não vamos viver para sempre. Houve um tempo antes do surgimento da consciência nos organismos vivos, e vai haver outro depois. E se a inevitabilidade do esquecimento humano preocupa você, sugiro que deixe esse assunto para lá. Deus sabe que é isso o que todo mundo faz."

O final é surpreendente, apesar de um pouco óbvio, é difícil de acreditar. Todo o livro é um misto de sentimentos e o final não poderia ser diferente. Para quem ainda não leu, aproveite que ainda dá tempo até a estreia do filme! rsrs Tenho certeza de que vão gostar. E torço para que o filme seja tão bom quanto o livro.

"Às vezes as pessoas não têm noção das promessas que estão fazendo no momento em que as fazem"

E para quem está ansioso para assistir ao filme como eu, vamos ficar com uma provinha enquanto não chega: