Livros *----* Seraphina

Seraphina. Autora: Rachel Hartman. Editora: Jangada. Páginas: 384.

O que me fez ler esse livro foram os dragões, porque depois de Firelight, meio que desenvolvi uma paixonite por livros com essas criaturas mitológicas. Mas esse livro é completamente diferente, primeiro por seus dragões em si serem bem diferentes e também por se passar no período medieval.

Humanos e dragões vivem praticamente em harmonia, desde o Tratado de Paz, mas tudo parece estar prestes a desmoronar quando o príncipe Rufus é assassinado, de uma forma bem característica dos dragões. Se até na paz existiam descontentes, imagine o que isso não trouxe a tona?! E não aconteceu em pior momento, com o aniversário do Tratado se aproximando e diversas comemorações marcadas, bem como a vinda do líder dos Saarantrai, que são como são chamados os dragões em forma humana.

Seraphina é um meio dragão, órfã de mãe, que aparentemente morreu ao lhe dar a luz, ela mora com o pai, a madrasta e as meio irmãs, até que consegue uma vaga de assistente do compositor da Corte, quando se muda para a Casa Real. Lá, Seraphina se revela uma excelente musicista e ótima líder, além de ser a única que consegue ensinar alguma coisa para a princesa, Glisselda. Mas ela precisa estar sempre vigilante com seu segredo, pois ele não lhe traz benefícios para com nenhuma de suas raízes.

"(...)Esse é o segredo do bom desempenho: convicção. A nota certa tocada com hesitação ainda assim sai desafinada, mas toque-a com ousadia e ninguém lhe fará perguntas. Se alguém acredita que existe verdade na arte - e eu acredito -, então é preocupante ver o quanto a habilidade de atuar é parecida com a de mentir. Talvez a mentira seja também um tipo de arte. Penso mais nisso do que deveria. (...)"

Tudo começa a desandar para Seraphina quando ela e seu tio Orma percebem que tem uma forte pista de quem seja o assassino do príncipe, alguém bastante perigoso que pode estar querendo acabar de vez com a paz. Então ela começa a ajudar o príncipe Lucian nas investigações. Lucian é um homem bom, bom demais... rs mas que parece determinado a descobrir a verdade a respeito de todas as coisas que puder e isso pode ser um inconveniente para Seraphina... Sem falar que ele está prometido a Glisselda.. Nada é fácil nessa vida...haha.

O livro é muito interessante e deixou um gostinho de quero mais, a autora pode muito bem fazer uma continuação se quiser, não sei se já tem lá fora. Achei que algumas coisas foram um pouco viagem, principalmente sobre o jardim interior dela, aquilo foi bastante esquisito de imaginar. Curti muito a humanização que ela fez dos dragões, mostrando que não só os humanos tinham preconceitos contra os dragões, mas os dragões também tinham fortes barreiras quanto ao começar a agir como um humano, muito interessante e um pouco bizarro também..

Adorei a forma fofa como ela fala sobre música, tenho certeza que todo músico que ler esse livro vai se identificar com essas passagens. Mas foi um livro que demorei pra ler, também porque estava lendo no celular, meu notebook estava com um problema e não pude passar o livro para o kobo...  Mas enfim, é isso aí.