Em cartaz: Robocop


Duração: 1h57min
Lançamento: 21 de fevereiro de 2014 
Estúdio: Sony Pictures
Dirigido por: José Padilha (Brasileiro)
Atores: Joel Kinnaman, Gary Oldman, Michael Keaton
Gênero: Ação , Ficção científica
Classificação: 14 anos
Nacionalidade: EUA

      Oi people, como vai o feriadão? Eu não curto carnaaval, bloco e todas essas bagunças, prefiro ficar em casa lendo um bom livro ou vendo um filme. Apesar de que, vou ter que tirar alguns dias do feriadão pra estudar tb... Mas enfim, falando em bom filme, fui assistir Robocop com meu boyfriend na quinta-feira e valeu a pena adiar um pouquinho o inicio dos estudos. ;) Hahaha



           Sinceramente, eu não gosto muito de fazer resenhas de filmes, porque eles são muito curtinhos e você acaba ficando sem ter muito o que falar, coisa que eu gosto de fazer XD hahahha Mas prometo que vou me segurar pra não soltar nenhuma spoiler, ok?! Comecei a gostar do Robocop com os filmes antigos de 1987, 1990 e 1993. Não tinha ainda nem tinha nascido ainda =O mas meu pai e meu irmão gostavam e a globo adora repetir filmes, então acabei conhecendo e gostando tbm. Estava curiosa com esse remake feito por um diretor brasileiro, mas confesso que na verdade queria assistir "O Beijo das Sombras"... se ele não tivesse sido cancelado... x.x
          Alex Murphy é um policial de caráter, bom marido e pai presente. Ele e seu amigo Jack estão trabalhando na investigação de um perigoso traficante de drogas, mas ao que tudo indica alguns policiais corruptos estão impedindo todos os seus progressos. Mas Alex está atrapalhando demais e precisa ser eliminado, assim ele sofre um brutal atentado de homicídio, que teria sido fatal, se não fosse a interferência da Megacorporação Omnicorp, que combina o que sobrou do organismo de Alex com corpo mecanizado. 
         A OMC é uma empresa de robótica, que está tentando sem sucesso utilizar robôs para fazer a segurança dos americanos, mas tem sido impedidos pela forte influencia de um senador, que é apoiado pela maior parte da população, e acredita que robôs não devem ter o direito de escolher quem irá ou não viver, já que eles são isentos de consciência, bem como compaixão ou mesmo julgamento. Alex pode ser a resposta para esse problema.
              Achei bem interessante a abordagem do Padilha ao tocar nessa questão da consciência de um robô, pois nós estamos muito perto de termos robôs vivendo conosco, participei de uma palestra de robótica na faculdade e o palestrante falou sobre teatro de robôs, uma coisa completamente nova, mas que já está acontecendo. Tenho certeza que robôs com consciência só existem na ficção, mas acho importante pensarmos nessas coisas. O cineasta ainda mostrou o caráter manipulador que a mídia pode exercer sobre a população, principalmente em programas sensacionalistas e se revelou completamente contra essa questão dos robôs terem permissão para matar, mesmo que eles sejam mais eficientes. O que acham? 
              Só achei que a ação demorou um pouco para acontecer, o filme mostra toda a transformação de homem para máquina do Alex, tem um gráfico excelente e muita tecnologia, mas se estiver esperando por pancadaria, você vai precisar ter um pouco de paciência. ^^ #Recomendadíssimo.