Em Cartaz: A Menina Que Roubava Livros

A menina que roubava livros
Duração: 131 min
Direção: Brian Percival
Estúdio: Fox Films
Gênero: Drama
Classificação: 10-12 anos
Elenco: Sophie Nélisse (Liesel), Ben Schnetzer (Max), Nico Liersch (Rudy), Geoffrey Rush (Hans), Emily Watson (Rosa).

Estava ansiosíssima para assistir esse filme, esperando desde o ano passado pela estreia! Faz alguns anos que eu li o livro, então eu quase não lembrava mais da história. Lembrava mais do final mesmo, porque me fez chorar de mais. Foi um dos livros que mais me fez chorar. Consequentemente, chorei muito com o filme também. Me emocionou mais do que eu esperava.
Liesel Meminger é apenas uma menina em plena Alemanha nazista. Sua mãe é comunista, e por também ser perseguida, leva seus filhos para morarem com um casal alemão. Na viagem de trem, o irmão
de Liesel morre. É quando a menina tem seu primeiro encontro com a Morte, que fica fascinada por ela e passa a prestar mais atenção em sua vida. Seu irmão é enterrado na beira da ferrovia e o coveiro deixa cair um livro, que é o primeiro exemplar "roubado" por ela. Chegando à rua Paraíso, Liesel conhece seus novos pais, Hans e Rosa Hubermann. Hans é pintor de letreiros, toca acordeão e é muito simpático, sempre tentando alegrar Liesel. Rosa é irritante e estressada, mas no fundo ela ama Hans e Liesel e só quer o bem deles. Liesel faz amizade com seu vizinho Rudy, que se torna seu melhor amigo e participa de todas as suas aventuras, sempre lhe pedindo um beijo. Depois surge Max, um judeu que fica escondido na casa dos Hubermann, por quem Liesel cria grande afeição. Liesel também se torna amiga de Ilsa, a mulher do prefeito, que permite que ela leia quando quiser na biblioteca, até ser descoberta por seu marido. Então Max fica doente e Liesel passa a "roubar", ou pegar emprestado, como diz, livros da casa do prefeito, e o mantém vivo graças às histórias que lê. Ela cresce, vivencia vários transtornos que a guerra fez os alemães passarem, seu pai é recrutado para a guerra, Rudy também... E depois o final... É tão emocionante! Não sei nem como descrever... Bem, é previsível, mas ao mesmo tempo inesperado. Só assistindo para você criar sua própria descrição.
Em relação ao livro, o filme me fez relembrar muitos pontos da história que eu havia esquecido. Apesar de achar que eles seguiram bem a história e fizeram o máximo que podiam em duas horas, o livro sem dúvidas é mais completo e menos tradicional. Só uma parte foi tão emocionante em ambos para mim: o beijo de Liesel e Rudy. Não tem como não chorar. Vale a pena assistir e, principalmente, ler. Depois que eu assisti esse filme, me deu uma vontade enorme de reler o livro, então prometi para mim mesma que faria isso. Agora estou prometendo para vocês uma resenha de FilmeXLivro assim que eu ler novamente! xD Afinal, quando a Morte resolve contar uma história, você deve parar para ler... E assistir!


logoblog